O Cuidado com a Criança na Clínica Fenomenológico-Existencial

Revista Subjetividades

View Publication Info
 
 
Field Value
 
Title O Cuidado com a Criança na Clínica Fenomenológico-Existencial
 
Creator Halfeld, Lívia Grijó
Mattar, Cristine Monteiro
 
Subject Psicologia clínica; clínica infantil; clínica fenomenológico-existencial
cuidado; criança; clínica; fenomenologia; Heidegger.
 
Description Neste artigo buscamos refletir sobre o cuidado clínico com crianças baseado na analítica do Da-sein de Martin Heidegger e na psicologia fenomenológico-existencial. Iniciamos com uma breve retomada histórica do surgimento da noção de infância. Em seguida, analisamos existencialmente o sercriança do ponto de vista filosófico, tomando como referência a fenomenologia hermenêutica empreendida em Ser e Tempo. A criança, tal como todo ente humano, possui o modo de ser do Da-sein, ser-aí. Sendo-no-mundo, está desde sempre e de início na disposição e compreensão das orientações e interpretações já dadas e sedimentadas pela tradição. Em nosso tempo, a doação de sentido que já nos dispõe como ente utilizável é desvelada como a técnica moderna. No horizonte da técnica, a criança, assim como todos nós, é convocada desde sempre a render, a produzir resultados que já estão definidos a priori. Ao corresponder ou não a este apelo, podem surgir os chamados problemas de adaptação ou desenvolvimento, considerados falhas neste horizonte epocal. Frente a esses problemas, o psicólogo clínico é chamado a ajustar o que “não vai bem”, ocupando um lugar que poderá ser o de adaptador ao modo técnico calculante ou o da meditação serena sobre ele. Nossa aposta é nessa segunda opção, em uma prática de cuidado antepositivo-libertador que, com a criança e sua família, busque ampliar as compreensões ali em jogo, permitindo que novos sentidos e possibilidades de lida com o existente nessa fase da vida possam vir à luz sem a rigidez dos enquadres identitários que vigoram em nosso tempo. Iniciamos o artigo com uma seção que procura ir além do registro historiográfico do fenômeno infância; introduzimos uma análise ontológico-fundamental do fenômeno; propomos modos possíveis de cuidado com a criança, destacando-se a lida na clínica psicológica, que não estejam cegamente entregues ao uso técnico; e, por fim, narramos uma situação clínica.
 
Publisher Universidade de Fortaleza
 
Contributor
 
Date 2021-06-19
 
Type info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion

 
Format application/pdf
 
Identifier https://periodicos.unifor.br/rmes/article/view/e9909
10.5020/23590777.rs.v21iEsp1.e9909
 
Source Revista Subjetividades; v. 21 (2021): Fascículo Especial 1 - Psicologia & Fenomenologia; Publicado online: 19/06/2021
2359-0777
2359-0769
 
Language por
 
Relation https://periodicos.unifor.br/rmes/article/view/e9909/pdf
https://periodicos.unifor.br/rmes/article/downloadSuppFile/e9909/5541
https://periodicos.unifor.br/rmes/article/downloadSuppFile/e9909/5542
/*ref*/Ariès, P. (2006). História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.
/*ref*/Cabral, A. M. (2009). Heidegger e a destruição da ética. Rio de Janeiro: UFRJ; Mauad.
/*ref*/Casanova, M. (2017). A falta que Marx nos faz. Rio de Janeiro: Via Verita.
/*ref*/Feijoo, A. M. L. C. (1997). Aspectos teórico-práticos na ludoterapia. Fenômeno Psi, 1, 4-11.
/*ref*/Feijoo, A. M. L. C., Protásio, M. M., & Gill, D. (2015). Considerações sobre o desenvolvimento infantil em uma perspectiva existencial. In A. M. L. C. Feijoo & E. L. Feijoo (Orgs.), Ser criança: Uma compreensão existencial da experiência infantil (pp. 115-164). Rio de Janeiro: IFEN.
/*ref*/Heidegger, M. (2000). Serenidade. Lisboa: Instituto Piaget. (Originalmente publicado em 1959)
/*ref*/Heidegger, M. (2001). Seminários de Zollikon. São Paulo: EDUC; Petrópolis, RJ: Vozes. (Originalmente publicado em 1987)
/*ref*/Heidegger, M. (2007). A questão da técnica. Scientiæ studia, 5(3), 375-98.
/*ref*/Heidegger, M. (2009). Introdução à filosofia (2a ed.). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1996)
/*ref*/Heidegger, M. (2014). Ser e Tempo. Petrópolis: Vozes. (Originalmente publicado em 1927).
/*ref*/Lei nº 4.119 de 27 de agosto de 1962. Dispõe sobre os cursos de formação em psicologia e regulamenta a profissão de psicólogo. Link
/*ref*/Mattar, C. M. (2010). Três perspectivas em psicoterapia infantil: Existencial, não-diretiva e Gestalt-terapia. Contextos Clínicos, 3, 76-87.
/*ref*/Mattar, C. M. (2015). A criança e a família: Aspectos históricos e dilemas contemporâneos. In A. M. L. C. Feijoo & E. L. Feijoo (Orgs.), Ser criança: Uma compreensão existencial da experiência infantil (pp. 13-34). Rio de Janeiro: IFEN.
/*ref*/Mattar, C. M. (2017). Prefácio. Situação clínica e situação existencial. In A. M. L. C. Feijoo & E. L. Feijoo (Orgs.), Situações clínicas 2: infantil (pp. 7-16). Rio de Janeiro: IFEN.
/*ref*/Postman, N. (1999). O desaparecimento da infância. Rio de Janeiro: Graphia.
/*ref*/Sá, R. N. (2005). A analítica heideggeriana da existência em Ser e Tempo. In Instituto de Psicologia Fenomenológico–Existencial (Org.), V Jornada IFEN: Diferentes modos de compreensão da subjetividade. Rio de Janeiro: IFEN.
/*ref*/Sá, R. N. (2017). Para além da técnica: Ensaios fenomenológicos sobre psicoterapia, atenção e cuidado. Rio de Janeiro: Via Verita.
/*ref*/Santos, D. de G., & Sá, R. N. (2013). A existência como “cuidado”: Elaborações fenomenológicas sobre a psicoterapia na contemporaneidade. Revista da Abordagem Gestáltica, 19(1), 53-59.
 
Rights Direitos autorais 2021 Revista Subjetividades
https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0
 

Contact Us

The PKP Index is an initiative of the Public Knowledge Project.

For PKP Publishing Services please use the PKP|PS contact form.

For support with PKP software we encourage users to consult our wiki for documentation and search our support forums.

For any other correspondence feel free to contact us using the PKP contact form.

Find Us

Twitter

Copyright © 2015-2018 Simon Fraser University Library