Motivações para uma Vida Minimalista e os Impactos no Consumo

CBR - Consumer Behavior Review

View Publication Info
 
 
Field Value
 
Title Motivações para uma Vida Minimalista e os Impactos no Consumo
 
Creator Oliveira, Juliana de Farias Fernandes
Paula, Renata Céli Moreira da Silva
 
Subject Administração; Marketing; Comportamento do Consumidor; Minimalismo
Minimalismo; Anticonsumo; Simplicidade Voluntária.
 
Description Diversos estudos têm debatido sobre as consequências do consumo, como os impactos ambientais e sociais. Esses estudos geram reflexões e, com isso, existem pessoas que estão mudando seus modos de viver em prol de um mundo melhor ou de uma vida com mais felicidade e qualidade. Um exemplo são as pessoas que vão na direção oposta ao consumo, buscando um estilo de vida minimalista. O objetivo do trabalho foi investigar quais são as motivações para as pessoas buscarem uma vida minimalista e quais são os impactos no consumo. Foram feitas entrevistas em profundidade com dez adeptos do minimalismo. As motivações relatadas foram principalmente de cunho pessoal, como busca pela liberdade, felicidade e desejo de melhor utilização do tempo e dinheiro. Aderir ao estilo de vida minimalista leva a grandes mudanças no consumo que afetam a forma de se vestir, se locomover, morar e até mesmo a forma como se dão os relacionamentos intrapessoais e interpessoais. Foram relatados benefícios ao adotar o minimalismo. Porém, os entrevistados citaram dificuldades, como a falta de compreensão de amigos e familiares. Apesar das dificuldades, eles sentem que vale a pena aderir ao minimalismo, pois se sentem mais felizes e com uma vida com mais propósito.
 
Publisher Universidade Federal de Pernambuco
 
Contributor
 
Date 2020-12-02
 
Type info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion
Artigo Avaliado pelos Pares
Pesquisa Qualitativa; Entrevista em profundidade
 
Format application/pdf
 
Identifier https://periodicos.ufpe.br/revistas/cbr/article/view/246160
10.51359/2526-7884.2021.246160
 
Source CBR - Consumer Behavior Review; v. 5, n. 1 (2021): janeiro-abril; 1-16
2526-7884
 
Language por
 
Relation https://periodicos.ufpe.br/revistas/cbr/article/view/246160/37110
/*ref*/Ahuvia, A. (2008). If money doesn’t make us happy, why do we act as if does? Journal of Economic Psychology, 29(4), 491-507. Almeida, M. (2017). Este documentário da Netflix vai fazer você repensar suas compras. Revista Exame. Disponível em: https://exame.com/seu-dinheiro/este-documentario-da-netflix-vai-fazer-voce-repensar-suas-compras/. Acesso: junho de 2020. Baudrillard, J. (2008). A Sociedade de Consumo. Lisboa: Edições 70. Buell, L. (2005). Downwardly mobile for conscience’s sake: Voluntary simplicity from Thoreau to Lily Bart. American Literary History, 17(4), 653-665. Candido, L. (2016). Quando Menos é Mais: Olhares, Discursos e Práticas Acerca da “Vida Simples”. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais PUC-RS. Chatzidakis, A. & Lee, M. S. W. (2013). Anti-Consumption as the Study of Reasons against. Journal of Macromarketing, 33(3), 190–203. Cherrier, H. (2009). Anti-consumption discourses and consumer-resistant identities. Journal of Business Research, 62, 181–190. Csikszentmihalyi, M. (1999). If We Are So Rich, Why Aren´t We Happy? American Psychologist, 54(10). Elgin, D. (2012). Simplicidade Voluntária: em busca de um estilo de vida exteriormente simples, mas interiormente rico. São Paulo: Cultrix. Elgin, D. & Mitchell, A. (1977). Voluntary Simplicity. Te CoEvolution Quarterly, 14. Etzioni, A. (1998). Voluntary simplicity: Characterization, select psychological implications, and societal consequences. Journal of Economic Psychology, 19, 619-643. Fraser, M. T. D. & Gondim, S. M. G. (2004). Da Fala do Outro ao Texto Negociado: Discussões sobre a Entrevista na Pesquisa Qualitativa. Revista Paidéia, 14(28), 2004. Hogg, M. K., Banister, E. N., & Stephenson, C. A. (2009). Mapping symbolic (anti-) consumption. Journal of Business Research, 62, 148 – 159. Hollenbeck, C. K. & Zinkhan, G. M. (2006). Consumer Activism on the Internet: The Role of Anti-brand Communities. Advances in Consumer Research, 23. Iyer, R. & Muncy, J. (2009). A. Purpose and object of anti-consumption. Journal of Business Research, 62, 160 – 168. Johnston, T. C. & Burton, J. B. (2003). Voluntary Simplicity: Definitions and Dimensions. Academy of Marketing Studies Journal, 7(1). Lipovetsky, G. (2006). A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade do hiperconsumo. Lisboa: 70. Malhotra, N. (2012). Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 6a edição. Porto Alegre: Bookman. Mendonça, G. O., Rocha, A. R. C., & Tayt-Son, D. B. C. (2019). O Processo Minimalista: Um Estudo Netnográfico. In: XLIII Encontro da ANPAD. Anais... São Paulo: Anpad. Negretto, L. (2013). As Relações Entre a Dinâmica Pós-Moderna e o Consumo Minimalista. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/graduacao/article/ view/17827/11456 Acesso em: junho de 2019. Nicolaci-da-Costa, A. M., Romão-Dias, D., & Di Luccio, F. (2009). Uso de Entrevistas On-Line no Método de Explicitação do Discurso Subjacente (MEDS). Psicologia: Reflexão e Crítica, 22(1). Oates, C., McDonald, S., Alevizou, P., Hwang, K., Young, W., & McMorland, L. (2008). Marketing sustainability: Use of information sources and degrees of voluntary simplicity. Journal of Marketing Communications, 14(5), 351-365. Pentina, I. & Amos, C. (2011). The Freegan phenomenon: anti-consumption or consumer resistance? European Journal of Marketing, 45(11/12), 1768-1778. Puls, L. & Becker, M (2018). O estilo de vida minimalista x consumo do vestuário de moda. E-Revista LOGO, 7(2). Rojas, A. A. & Mocarzel, M. M. V. (2015). Da cultura visual à cultura material: o minimalismo como forma de expressão na sociedade de consumo. ALCEU, 16(31). Shaw, D. & Newholm, T. (2002). Voluntary Simplicity and the Ethics of Consumption. Psychology & Marketing, 19(2), 167-185. Silva, R. C. M., Chauvel, M., & Macedo-Soares, T. D. (2012). Investigando o comportamento dos consumidores que buscam a simplicidade: Um estudo exploratório. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, jan/mar. Silva, R. C. M. & Hor-Meyll, L. F. (2016). Simplicidade Voluntária: escolhendo uma nova forma de viver. Revista Pretexto, 17(2), 98-116. Sobreira, E. M. C, Silva, A. L. L., & Coelho, P. F. C. (2018). Simplicidade Voluntária e Armário-Cápsula: Valores e Motivações no Consumo de Vestuário. Revista de Administração FACES Journal, 17(2), 134-151, abr./jun. The Orion Publishing Group (2019). Chega de Plástico. Rio de Janeiro: Sextante. Zavestoski, S. (2002). The social-psychological bases of anti-consumption attitudes. Psychology and Marketing, 19(2), 149-165.
 
Rights Direitos autorais 2020 CBR - Consumer Behavior Review
http://creativecommons.org/licenses/by/4.0
 

Contact Us

The PKP Index is an initiative of the Public Knowledge Project.

For PKP Publishing Services please use the PKP|PS contact form.

For support with PKP software we encourage users to consult our wiki for documentation and search our support forums.

For any other correspondence feel free to contact us using the PKP contact form.

Find Us

Twitter

Copyright © 2015-2018 Simon Fraser University Library