The effect of impulsivity, self-disgust and self-compassion in borderline features in adolescence: Study of sex differences

Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social

View Publication Info
 
 
Field Value
 
Title The effect of impulsivity, self-disgust and self-compassion in borderline features in adolescence: Study of sex differences
O efeito da impulsividade, autoaversão e autocompaixão nos traços borderline na adolescência: Estudo das diferenças entre sexos
 
Creator Carreiras, Diogo
Paula Castilho
Marina Cunha
 
Subject Adolescência
Autoaversão
Autocompaixão
Impulsividade
Traços Borderline da Personalidade
Adolescence
Borderline features
Impulsivity
Self-compassion
Self-disgust
 
Description Background: Adolescence is a developmental stage with biological, psychological, and social changes that will influence the individual functioning in adulthood. Recently, research on borderline personality disorder (BPD) has been focusing on dysfunctional and inflexible features in early ages, since a personality disorder does not appear suddenly in adulthood. The developmental path should be better understood and explored. Objective: Accordingly, the current study aimed at analyzing the contribution of psychological processes, specifically impulsivity, self-disgust, and self-compassion, for understanding borderline features in adolescence. Methods: This study had a cross-sectional design and a sample of 440 adolescents from the general population (278 girls and 162 boys), with ages ranging between 14 and 17 years. In SPSS, we conducted Student’s t-tests, Pearson correlations, and linear regressions. Results: Girls presented higher levels of self-disgust and borderline features in comparison with boys and lower levels of self-compassion. Regression models to test the predictive value of impulsivity, self-disgust and self-compassion on borderline features were significant. The model explained 43% of borderline features for boys and 57% for girls. For girls, all variables (impulsivity, self-compassion, and self-disgust) presented a significant contribution, and for boys, only impulsivity and self-compassion were significant predictors. Conclusions: These results added evidence of important variables to understand better borderline features in adolescents and identified sex differences in these psychological mechanisms. This study has important implications for research, clinical practice, and prevention.
Contexto: A adolescência é uma etapa desenvolvimental com mudanças biológicas, psicológicas e sociais que irão influenciar o funcionamento na idade adulta. A investigação em torno das Perturbações da Personalidade, e em particular da Perturbação Borderline da Personalidade (PBP), tem cada vez mais investido no estudo de traços disfuncionais e inflexíveis em idades precoces, uma vez que é claro que uma Perturbação da Personalidade não se manifesta apenas subitamente na idade adulta. Existe uma trajetória desenvolvimental que deve ser melhor compreendida e explorada. Objetivo: Neste sentido, o presente trabalho teve como objetivo analisar o contributo de processos e mecanismos psicológicos, como a impulsividade, autoaversão e autocompaixão, para a compreensão dos traços borderline na adolescência. Método: Este estudo tem um desenho transversal e uma amostra constituída por 440 adolescentes da população geral (278 raparigas e 162 rapazes), com idades compreendidas entre os 14 e os 17 anos. Com recurso ao SPSS, realizaram-se testes t para amostras independentes, correlações de Pearson e regressões lineares. Resultados: As raparigas, quando comparadas com os rapazes, apresentaram níveis mais elevados de autoaversão, depressão e traços borderline e níveis mais baixos de autocompaixão. Os modelos de regressão hierárquica para testar o poder preditivo da impulsividade, autoaversão e autocompaixão nos traços borderline foram significativos, explicando 46% da variância dos traços borderline em rapazes e 58% nas raparigas, controlando o efeito da depressão. Enquanto que nas raparigas, todas as variáveis apresentaram um contributo significativo (depressão, impulsividade, autocompaixão e autoaversão), nos rapazes apenas a depressão, impulsividade e autocompaixão revelaram poder preditivo. Conclusões: Os dados desta investigação salientam variáveis essenciais para compreender os traços borderline em adolescentes, bem como as diferenças nesses mecanismos psicológicos entre raparigas e rapazes, tendo significativas implicações para a investigação e, sobretudo, para a prática clínica e prevenção.
 
Publisher Instituto Superior Miguel Torga
 
Date 2020-05-21
 
Type info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion
 
Format application/pdf
text/html
application/xml
 
Identifier https://rpics.ismt.pt/index.php/ISMT/article/view/170
10.31211/rpics.2020.6.1.170
 
Source Portuguese Journal of Behavioral and Social Research; Vol. 6 No. 1 (2020): May; 50–63
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social; Vol. 6 N.º 1 (2020): Maio; 50–63
2183-4938
 
Language por
 
Relation https://rpics.ismt.pt/index.php/ISMT/article/view/170/381
https://rpics.ismt.pt/index.php/ISMT/article/view/170/385
https://rpics.ismt.pt/index.php/ISMT/article/view/170/410
 
Rights Direitos de Autor (c) 2020 Diogo Carreiras, Paula Castilho, Marina Cunha (Autor)
 

Contact Us

The PKP Index is an initiative of the Public Knowledge Project.

For PKP Publishing Services please use the PKP|PS contact form.

For support with PKP software we encourage users to consult our wiki for documentation and search our support forums.

For any other correspondence feel free to contact us using the PKP contact form.

Find Us

Twitter

Copyright © 2015-2018 Simon Fraser University Library