As Relações de Gênero, os Estereótipos e a Violência Simbólica no Mercado de Trabalho

Revista de Administração IMED

View Publication Info
 
 
Field Value
 
Title As Relações de Gênero, os Estereótipos e a Violência Simbólica no Mercado de Trabalho
Gender Relations, Stereotypes and Symbolic Violence in the Labor Market
 
Creator Medeiros, Flaviani Souto Bolzan
Alves Pacheco de Campos, Simone
 
Subject Relações de Gênero; Estereótipos; Mercado de Trabalho; Habitus; Violência Simbólica
Gender relations; Stereotypes; Work relationships; Habitus; Symbolic violence
 
Description Mesmo com a evolução que a humanidade presenciou desde os tempos mais remotos, alguns entendimentos e concepções não seguiram o mesmo ritmo. Pode-se dizer que é o caso do que é ‘ser homem’ e do que é ‘ser mulher’ em termos conceituais, sociais e culturais pré-concebidos que continuam sendo os mesmos ao longo dos anos. Tratar de questões que versam sobre sexo, gênero e relações de gênero está no rol de assuntos em pauta na atualidade. Assim sendo, o objetivo deste ensaio é trazer uma discussão teórica acerca das relações de gênero, os estereótipos e a violência simbólica. Para isso, realizou-se uma revisão de literatura para expor tais temas a partir da percepção de diferentes autores, em especial, das contribuições de Pierre Bourdieu. A principal contribuição deste trabalho reside na extrapolação da distinção entre os conceitos a respeito de sexo e gênero ao descrever a manifestação destas relações no mercado de trabalho, da simplificação almejada com os estereótipos e da violência simbólica, que reforça as relações de poder e de dominação (in)visível presentes na sociedade até os dias atuais.
Even with the evolution that humanity has witnessed since the most remote times, some understandings and conceptions did not follow the same pace. This can be said to be what it is to ‘be a man’ and what it is to ‘be a woman’ in preconceived conceptual, social and cultural terms that remain the same over the years. Dealing with issues related to sex, gender and gender relations are currently on the agenda. Thus, the aim of this essay is to bring a theoretical discussion about gender relations, stereotypes and symbolic violence. For this, a literature review was carried out to expose such themes from the perception of different authors, especially from the contributions brought by Pierre Bourdieu. The main contribution of this work is the extrapolation of the distinction between the concepts of sex and gender in describing the manifestation of these relationships in the labor market, the simplification aimed at stereotypes and the symbolic violence that reinforces the relations of power and domination (un)visible present in society to this day.
 
Publisher Complexo de Ensino Superior Meridional S.A.
 
Contributor

 
Date 2020-10-05
 
Type info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion

 
Format application/pdf
 
Identifier https://seer.imed.edu.br/index.php/raimed/article/view/3496
10.18256/2237-7956.2020.v10i1.3496
 
Source Revista de Administração IMED; v. 10, n. 1 (2020): Janeiro-Junho; 127-144
2237-7956
10.18256/2237-7956.2020.v10i1
 
Language por
 
Relation https://seer.imed.edu.br/index.php/raimed/article/view/3496/2579
/*ref*/Albino, J. C. de A., Cattabriga, C. L., Rezende, O., & Neiva, R. C. S. (2011). Sujeitos estrategistas, suas escolhas, decisões e estratégias. Anais do Encontro da Anpad, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
/*ref*/Almeida, L. R. da S. (2005). Pierre Bourdieu: a transformação social no contexto de “a reprodução”. Revista Inter-Ação, 30(1), 139-155.
/*ref*/Araújo, F. M. de B., Alves, E. M., & Cruz, M. P. (2009). Algumas reflexões em torno dos conceitos de campo e de habitus na obra de Pierre Bourdieu. Revista Perspectivas da Ciência e Tecnologia, 1(1), 31-40.
/*ref*/Bellin, G. (2008). Estereótipos de gênero no livro didático de língua estrangeira. Revista X, 2, 81-89.
/*ref*/Bodart, C. das N., Borba, C. P., Fernandes, A. de A., Torres, K. R., & Frigulha, S. (2017). Discutindo relações de gênero entre discentes e docentes a partir das colaborações de Simone de Beauvoir e Pierre Bourdieu. Revista Foco, 10(1), 24-43.
/*ref*/Borges, C. de C. (2013). Mudanças nas trajetórias de vida e identidades de mulheres na contemporaneidade. Psicologia em Estudo, 18(1), 71-81.
/*ref*/Bourdieu, P. (1983). Sociologia. São Paulo: Ática.
/*ref*/Bourdieu, P. (1989). O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.
/*ref*/Bourdieu, P. (1992). Reponses – pour une anthropologie réflexive. Paris: Seuil.
/*ref*/Bourdieu, P. (1995). A dominação masculina. Educação & Realidade, 20(2), 133-184.
/*ref*/Bourdieu, P. (2001). Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.
/*ref*/Bourdieu, P. (2002). A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.
/*ref*/Bourdieu, P. (2005). Habitus. In: Hillier, J., & Rooksby, E. (Orgs.). Habitus: a sense of place. Londres: Ashgate Publishing Co.
/*ref*/Bourdieu, P. (2007). A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva.
/*ref*/Brandão, Z. (2010). Operando com conceitos: com e para além de Bourdieu. Educação e Pesquisa, 36(1), 227-241.
/*ref*/Brito, D. L., & Bona, F. D. (2014). Sobre a noção de estereótipo e as imagens do Brasil no exterior. Revista Graphos, 16(2), 15-28.
/*ref*/Burckhart, T. (2017). Gênero, dominação masculina e feminismo: por uma teoria feminista do Direito. Revista Direito em Debate, 26(47), 205-224.
/*ref*/Calás, M. B., & Smircich, L. (1999). Do ponto de vista da mulher: abordagens feministas nos estudos organizacionais. In: Clegg, S., Hardy, C., & Nord, D. (Orgs.). Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas. p. 275-329.
/*ref*/Caminha, T., & Ferreira, D. M. M. (2015). Estereótipo de gênero e multidimensionalidade: da exclusão à resistência. Revista Desempenho, 1(24), 1-18.
/*ref*/Carlo, J. de, & Bulgacov, Y. L. M. (2007). Noções de “trabalho feminino” no chão de fábrica de uma empresa líder no setor de eletrodomésticos. Revista Psicologia: 7(1), 107-130.
/*ref*/Carvalho, M. E. P. de. (2004). Pierre Bourdieu sobre gênero e educação. Revista Ártemis, 1(1), 1-14.
/*ref*/Chies, P. V. (2010). Identidade de gênero e identidade profissional no campo de trabalho. Revista Estudos Feministas, 18(2), 507-52.
/*ref*/Colcerniani, C. B., D’ávila Neto, M. I., & Cavas, C. de S. T. (2015). A participação das mulheres no mercado de trabalho sob a perspectiva da teoria da justiça social de Nancy Fraser e dos conceitos relativos ao trabalho decente. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 18(2), 169-180.
/*ref*/D’amorim, M. A. (1997). Estereótipos de gênero e atitudes acerca da sexualidade em estudos sobre jovens brasileiros. Temas em Psicologia, 5(3), 121-134.
/*ref*/Fagundes, G. de A. (2017). Algumas reflexões em torno dos conceitos de habitus, campo e capital cultural. Revista Café com Sociologia, 6(2), 103-123.
/*ref*/Ferreira Júnior, A. P. (2018). Gênero e violência simbólica: um estudo introdutório sobre o ser da mulher e os papéis construídos em sociedade. Sapere Aude, 9(17), 309-318.
/*ref*/Figueiredo, M. de O., Zambulim, M. C., Emmel, M. L. G., Fornereto, A. de P. N., Lourenço, G. F., Joaquim, R. H. V. T., & Barba, P. D. (2018). Terapia ocupacional: uma profissão relacionada ao feminino. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 25(1), 115-126.
/*ref*/Gomes, R. N., Balestero, G. S., & Rosa, L. C. de F. (2016). Teorias da dominação masculina: uma análise crítica da violência de gênero para uma construção emancipatória. Libertas, 2(1), 11-34.
/*ref*/Janowski, D. A., & Medeiros, C. C. C. de. (2018). Corpo social e capital corporal: considerações a partir da teoria sociológica de Pierre Bourdieu. Problemata, 9(2), 283-293.
/*ref*/Leal, E. A., Miranda, G. J., Araújo, T. S., & Borges, L. F. M. (2012). Estereótipos na profissão contábil. Anais do Encontro da Anpad, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
/*ref*/Lima, F. I. A. de, Voig, A. E. G. T., Feijó, M. R., Camargo, M. L., & Cardoso, H. F. (2017). A influência da construção de papeis sociais de gênero na escolha profissional. Revista Brasileira de Psicologia e Educação, 19(1), 33-50.
/*ref*/Lucas, E. R. de O., & Silveira, M. A. A. da. (2017). A ciência da informação encontra Pierre Bourdieu. Recife: Editora Universitária da UFPE.
/*ref*/Medeiros, C. C. C. de. (2013). Pierre Bourdieu, dez anos depois. Educar em Revista, 47, 315-328.
/*ref*/Medeiros, C. R. de O., & Valadão Júnior, V. M. (2009). Masculinidade e feminilidade na AMEAS: holograma, ilhas de claridade ou uma selva desconhecida?. Anais do Encontro da Anpad, São Paulo, SP, Brasil.
/*ref*/Mereidos, C. C. C. de. (2011). Habitus e corpo social: reflexões sobre o corpo na teoria sociológica de Pierre Bourdieu. Movimento, 17(1), 281-300.
/*ref*/Mesquita Filho, M., Eufrásio, C., & Batista, M. A. (2011). Estereótipos de gênero e sexismo ambivalente em adolescentes masculinos de 12 a 16 anos. Saúde e Sociedade, 20(3), 554-567.
/*ref*/Oliveira, K. de, Silva, E. S. da, & Salva, S. (2011). Relações de gênero e educação. Sociais e Humanas, 24(2), 101-110.
/*ref*/Oliveira, L. L. de, Jesus, D. C. A. de, Arruda, M. A. de L., Cunha, M. C. da, & Araújo, R. M. (2010). Estereótipos de gênero em adolescentes: uma análise da influência escolar sobre a formação, manutenção e mudanças dos estereótipos. Interação em Psicologia, 14(2), 205-219.
/*ref*/Pereira, M. E. (2008). Cognição, categorização, estereótipos e vida urbana. Ciências & Cognição, 13(3), p. 280-287.
/*ref*/Peters, G. (2013). Habitus, reflexividade e neo-objetivismo na teoria da prática de Pierre Bourdieu. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 28(83), 47-71.
/*ref*/Praun, A. G. (2011). Sexualidade, gênero e suas relações de poder. Revista Húmus, 1(1), 55-65.
/*ref*/Recuero, R., & Soares, P. (2013). Violência simbólica e redes sociais no Facebook: o caso da fanpage “Diva Depressão”. Galáxia, 26, 239-254.
/*ref*/Reina, F. T. (2015). A eternização da dominação masculina na trajetória de vida de bailarinos e jogadoras de futebol e a prática pedagógica no interior da escola. Revista Educação e Cultura Contemporânea, 12(27), 199-211.
/*ref*/Risso, C. de A. (2008). Gosto é discutível: uma reflexão sobre o acúmulo de bens simbólicos. Matrizes, 2(1), 252-256.
/*ref*/Safiotti, H. I. B. (2013). A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. São Paulo: Expressão Popular.
/*ref*/Sales-Oliveira, C., Villas-Boas, S., & Las-Heras, S. (2016). Estereótipos de género e sexismo em docentes do ensino superior. Revista Iberoamericana de Educación Superior, 7(19), 22-41.
/*ref*/Salvini, L., Souza, J. de, & Marchi Junior, W. (2012). A violência simbólica e a dominação masculina no campo esportivo: algumas notas e digressões teóricas. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, 26(3), 401-10.
/*ref*/Santos, G. F. de L. (2015). Jogo e civilização: história, cultura e educação. Londrina: Eduel.
/*ref*/Santos, M. H., & Amâncio, L. (2014). Sobreminorias em profissões marcadas pelo género: consequências e reações. Análise Social, 3(212), 700-726.
/*ref*/Santos, P. S. M. B. dos. (2007). A aplicabilidade dos conceitos bourdieunianos de habitus e campo em uma pesquisa na área da história da educação. Dialogia, 6, 49-54.
/*ref*/Scott, J. W. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, 20(2), 71-99.
/*ref*/Serrano-Barquín, C., Serrano-Barquín, H., Zarza-Delgado, P., & Velez-Bautista, G. (2018). Estereótipos de gênero que fomentam a violência simbólica: nudez e cabelos. Revista Estudos Feministas, 26(3), 1-14.
/*ref*/Setton, M. da G. J. (2002). A teoria do habitus em Pierre Bourdieu: uma leitura contemporânea. Revista Brasileira de Educação, 20, 60-70.
/*ref*/Silva, A. D., & Taveira, M. do C. (2012). Educação e desenvolvimento de carreira das mulheres. Ex aequo, 25, 165-178.
/*ref*/Silva, D. J. M. (2017). Mulheres na contabilidade: os estereótipos socialmente construídos sobre a contadora. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG.
/*ref*/Silva, D. J. M., Silva, M. A. da, & Santos, G. C. dos. (2017). Estereótipos de gênero na contabilidade: afinal como a mulher contadora é vista? Anais do Congresso da Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Belo Horizonte, MG, Brasil.
/*ref*/Silva, L. F. da, & Oliveira, L. de. (2017). O papel da violência simbólica na sociedade por Pierre Bourdieu. Revista FSA, 14(3), 160-174.
/*ref*/Silveira, I. T. (2006). Sociedade, educação e família. Revista Histedbr On-line, 22, 180-193.
/*ref*/Silveira, N. S. P. da. (2010). Mulheres gerentes: construindo as identidades de gênero no trabalho. Tese de doutorado, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, SP.
/*ref*/Sousa, L. P. de, & Guedes, D. R. (2016). A desigual divisão sexual do trabalho: um olhar sobre a última década. Estudos Avançados, 30(87), 123-140.
/*ref*/Thiry-Cherques, H. R. (2006). Pierre Bourdieu: a teoria na prática. Revista de Administração Pública, 40(1), 27-55.
/*ref*/Tiradentes, A. R. (2015). Violência simbólica no contexto escolar: discriminação, inclusão e o direito à educação. Revista Eletrônica do Curso de Direito – PUC Minas Serro, 12, 33-48.
/*ref*/Trigo, M. H. B. (1998). Habitus, campo, estratégia: uma leitura de Bourdieu. Cadernos Ceru, 9, 45-55.
/*ref*/Valle, I. R. (2007). A obra do sociólogo Pierre Bourdieu: uma irradiação incontestável. Educação e Pesquisa, 33(1), 117-134.
/*ref*/Wacquant, L. J. D. (2002). O legado sociológico de Pierre Bourdieu: duas dimensões e uma nota pessoal. Revista de Sociologia e Política, 19, 95-110.
/*ref*/Yannoulas, S. C. (2002). Dossiê: políticas públicas e relações de gênero no mercado de trabalho. Brasília: CFEMEA, FIG/CIDA.
 
Rights Direitos autorais 2020 Flaviani Souto Bolzan Medeiros, Simone Alves Pacheco de Campos
http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0
 

Contact Us

The PKP Index is an initiative of the Public Knowledge Project.

For PKP Publishing Services please use the PKP|PS contact form.

For support with PKP software we encourage users to consult our wiki for documentation and search our support forums.

For any other correspondence feel free to contact us using the PKP contact form.

Find Us

Twitter

Copyright © 2015-2018 Simon Fraser University Library