PSICOLOGIA DAS MASSAS E RACISMO DE ESTADO: O ULTRACONSERVADORISMO CONTEMPORÂNEO

DELICTAE: Revista de Estudos Interdisciplinares sobre o Delito

View Publication Info
 
 
Field Value
 
Title PSICOLOGIA DAS MASSAS E RACISMO DE ESTADO: O ULTRACONSERVADORISMO CONTEMPORÂNEO
 
Creator Gontijo, Lucas de Alvarenga
Bicalho, Mariana Ferreira
 
Description Este artigo se vale de três clássicos autores do pensamento ocidental - Sigmund Freud, Hannah Arendt e Michel Foucault - para compreender como se formaram os discursos de ódio, de cunho ultraconservador, no Brasil contemporâneo e levaram à eleição de Jair Bolsonaro para chefe do poder executivo. A hipótese sustentada é a de que esses discursos puderam penetrar a sociedade brasileira a partir de movimentos de massas de longa duração. Por isso, o artigo perscruta os fundamentos psicossociais para justificar a organização desses movimentos e sua coesão. Pretende-se, em síntese, compreender como cidadãos que aparentemente não são perversos se mantém leais a esse líder mesmo cientes de seus atos inescrupulosos. Freud traz duas explicações para esse fenômeno, primeiro que são ligações libidinais que caracterizam as massas, de modo a elegerem um objeto libidinal que substitui o lugar do ideal do eu, a extinguir a instância moral dos membros da massa. E, em segundo lugar, Freud atenta para o fenômeno da identificação, a justificar que as massas funcionariam como hordas, sujeitas aos excessos do pai primordial. Em seguida, o artigo busca, a partir de Foucault, justificar a violência social que se instaurou no país valendo-se da teoria do racismo de Estado, sob uma perspectiva biopolítica. O racismo de Estado funciona a partir da fratura, da divisão que cinde um povo ao meio e estabelece um conflito permanente no interior da sociedade. Essa é a primeira função do racismo: fragmentar e fazer censuras no interior de um mesmo povo. Ao final, com Hannah Arendt, essa discussão foi trazida ao plano prático, a partir da análise dos regimes autoritários que emergiram por meio dos movimentos de massa dos anos 20 e 30 do século XX, na Europa. A autora sustenta que isso foi possível em decorrência do desenvolvimento das sociedades burguesas e a consequente atomização social desse tipo de reprodução econômica e social. Como será demonstrado, o totalitarismo tem terreno fértil nas sociedades apolíticas, indiferentes, que, por meio de seu silêncio, permitem o crescimento do autoritarismo.
 
Publisher Editora D'Plácido
 
Date 2019-12-12
 
Type info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion
 
Format application/pdf
 
Identifier http://www.delictae.com.br/index.php/revista/article/view/109
10.24861/2526-5180.v4i7.109
 
Source Delictae Revista de Estudos Interdisciplinares sobre o Delito; v. 4 n. 7 (2019): DELICTAE: Revista de Estudos Interdisciplinares sobre o Delito; 236-270
2526-5180
10.24861/2526-5180.v4i7
 
Language por
 
Relation http://www.delictae.com.br/index.php/revista/article/view/109/78
 

Contact Us

The PKP Index is an initiative of the Public Knowledge Project.

For PKP Publishing Services please use the PKP|PS contact form.

For support with PKP software we encourage users to consult our wiki for documentation and search our support forums.

For any other correspondence feel free to contact us using the PKP contact form.

Find Us

Twitter

Copyright © 2015-2018 Simon Fraser University Library