Apresentação

Revista Hoplos

View Publication Info
 
 
Field Value
 
Title Apresentação
 
Creator Gavião, Leandro
 
Subject
 
Description Em 1º de janeiro de 2003, durante a sessão de posse no Congresso Nacional, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou que as relações internacionais de seu governo seriam orientadas para “a construção de uma América do Sul politicamente estável, próspera e unida, com base em ideais democráticos e de justiça social”. Em seguida, acrescentou que se comprometeria a fazer “florescer uma verdadeira identidade do Mercosul e da América do Sul”.Ao elevar a América do Sul à condição de prioridade da agenda de política externa, Lula consolidou um processo que se encontrava em andamento desde a redemocratização dos países da região. É verdade que a ideia de América do Sul e a respectiva restrição geográfica da vizinhança remontam à chancelaria do Barão do Rio Branco. Mas a conversão daquele espaço em um conceito operacional capaz de resultar em medidas concretas de cooperação e de integração é um fenômeno inquestionavelmente mais recente.No embalo da redemocratização, a superação da rivalidade entre o Brasil e a Argentina abriu as portas para a multiplicação de experiências de abrangência regional. Nesse contexto, a década de 1990 foi promissora. Duas iniciativas de relevo foram justamente a criação do Mercado Comum do Sul (Mercosul) e da Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais Nucleares (Abacc). Outras propostas, por sua vez, malograram. Foi o caso da Área de Livre Comércio Sul-Americana (Alcsa), idealizada por Itamar Franco para rivalizar com o avanço do projeto norte-americano da Área de Livre Comércio das Américas (Alca).Ainda assim, a ideia de congregar a América do Sul continuou viva. No ano 2000, Fernando Henrique Cardoso lançou a Reunião de Presidentes da América do Sul, em Brasília. Pela primeira vez na história das relações interamericanas, uma reunião de cúpula esteve voltada apenas para as nações do subcontinente sul-americano. Até então, todos os encontros do gênero assumiam um perfil ora latino-americano - incorporando países de foram da América do Sul -, ora pan-americano. Em seguida, houve o lançamento da Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional Sul-Americana (Iirsa), com o objetivo de superar a deficiência da integração física no subcontinente.Embora sutis para muitos observadores, essas mudanças refletiam uma nova interpretação sobre as potencialidades da região. Enquanto a América do Sul ocupava um espaço cada vez mais destacado na diplomacia brasileira, a América Latina foi progressivamente deslocada para um plano secundário. Basta lembrar que foi nessa época que o México desfalcou a “família” latino-americana, ao fazer sua opção pelo Norte, aderindo ao NAFTA. Sendo assim, a agenda latino-americana não deixou de ter sua relevância, mas agora precisaria concorrer com uma nova referência regional mais tangível aos interesses do país.Ao perpassar a gestão de tantos presidentes com convicções e orientações ideológicas distintas, a América do Sul esteve sempre entre as prioridades do país. Enquanto ocupava o Palácio do Planalto, Fernando Henrique Cardoso afirmou que “O Mercosul para nós é um destino, enquanto que a Alca é apenas uma opção”. Em outras palavras, a América do Sul e seus organismos regionais passaram a ser contemplados como política de Estado. Contudo, é inequívoco que a região vivencia, hoje, o seu pior momento. O desmonte de projetos consolidados e em construção já é uma realidade terrivelmente. Até os mais otimistas se assustam diante dos danos produzidos, cuja correção levará anos para reverter. Debater o papel que a América do Sul deve ocupar no processo de desenvolvimento do país é uma urgência. Por essa razão, a iniciativa da equipe editorial da Revista Hoplos deve ser saudada com entusiasmo. Agrupando cinco artigos que abordam aspectos históricos, diplomáticos e estratégicos, a presente edição recoloca a América do Sul no lugar de onde ela nunca deveria ter saído. Afinal, como dizia Vamireh Chacon: “o Brasil e os hispano-americanos vão continuar onde estão, vizinhos imediatos. Não adianta se ignorarem, ou hostilizarem-se”.Boa leitura!
 
Publisher INEST-UFF
 
Contributor
 
Date 2019-09-10
 
Type info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion
Artigo Avaliado pelos Pares
 
Format application/pdf
 
Identifier http://periodicos.uff.br/hoplos/article/view/38192
10.0000/hoplos.v3i4.38192
 
Source Revista Hoplos; v. 3, n. 4 (2019): Dossiê temático; 11-12
2595-699X
2595-699X
 
Language por
 
Relation http://periodicos.uff.br/hoplos/article/view/38192/21830
 
Rights Direitos autorais 2019 Leandro Gavião
 

Contact Us

The PKP Index is an initiative of the Public Knowledge Project.

For PKP Publishing Services please use the PKP|PS contact form.

For support with PKP software we encourage users to consult our wiki for documentation and search our support forums.

For any other correspondence feel free to contact us using the PKP contact form.

Find Us

Twitter

Copyright © 2015-2018 Simon Fraser University Library