Surf and non formal education: Potency and practice in the social project "Surf e Stand Up Paddle for All"

Olimpianos - Journal of Olympic Studies

View Publication Info
 
 
Field Value
 
Title Surf and non formal education: Potency and practice in the social project "Surf e Stand Up Paddle for All"
Surf y educación no formal: poder y práctica en el proyecto social "Surf y Stand Up Paddle para todos"
Surfe e educação não formal: potência e a prática no projeto social “Surf e Stand Up Paddle para Todos”
 
Creator Souza, Vinícius Cardoso de
Veloso, Rafael Campos
 
Description The study aims to observe in the surfing practice environment, understood as a manifestation of the movement body culture, in the leisure and performance sport structeres, the possibility and power of development of non formal education elements. For this purpose, the methodological concept of biographical narrative was applied to participants of the Social Project Surf e SUP para Todos, founded in 2009 in Caraguatatuba – north shore of São Paulo state, where the narrative of the coach/teacher, Luciano Santana – social Project founder - was recorded. The narrative, analysed by this study, is also composed by the report of a student that happened to be present at the time, and helped to legitimate the coach/teacher’s narrative. The analyzed elements of the biographical narratives of the coach/teacher and his student suggest that the practice of surfing contains potentials beyond the sports dimension, related to the high performance, because it can also be approached as a pedagogical instrument and a space for social interaction, allowing its practitioners, moments that can bring together pleasure, learning, and the excellence of the moving body in its various practice configurations; leisure, health and quality of competitive and professional life.
 
References
1 Rubio K, Veloso RC, Leão L. Between solar and lunar hero: A cartographic study of Brazilian Olympic athletes in the social imaginary. Imago A J Soc Imaginary. 2018;(11): 147–62.
2 Rubio K. A dinâmica do esporte olímpico do século XIX ao XXI. Rev Bras Educ Física e Esporte. 2011; 25:83–90.
3 Rubio K. From Amateurism to professionalism: sport’s transformations by the Brazilian Olympic Athletes’ lenses. Humanit Soc Sci. 2013; 1(3):85.
4 Han B-C. Sociedade do cansaço. Petrópolis, RJ: Vozes; 2015.
5 Veloso RC. A condição do gregário no ciclismo de estrada. Aspectos de uma prática competitiva singular no esporte contemporâneo. In: Rubio K, editor. Preservação da memória: A responsabilidade social dos Jogos Olímpicos. São Paulo: Laços Editora; 2014.
6 Rubio K. Memória e imaginário de atletas medalhistas olímpicos brasileiros [tese – livre-docência].  São Paulo: Universidade de São Paulo, Escola de Educação Física e Esporte; 2004.
7 Kampiom D. Stoked!: a history of surf culture. Santa Monica, CA: Gibbs Smith; 2003.
8 Kampiom D, Brown B. Uma história da cultura do surfe. Los Angeles: Evergreen; 2000.
9 Booth D. History, culture, surfing: Exploring historiographical relationships. J Sport Hist. 2013; 40(1): 3-20.
10 International Surfing Association (ISA) [Internet]. [citado 26 Aug 2019]. Disponível em https://www.isasurf.org/.
11 World Surfing League (WSF) [Internet]. [citado 26 Aug 2019]. Disponível em https://www.worldsurfleague.com/.
12 Smith MK. What is non-formal education? [Internet]. 1996 [citado 26 Aug 2019]. Disponível em http://infed.org/mobi/what-is-non-formal-education/.
13 Marandino M. Faz sentido ainda propor a separação entre os termos educação formal, não formal e informal? Ciência e Educação (Bauru). 2017; 23(4): 811–816.
14 Gohn MG. Educação não-formal e cultura política: Impactos sobre o associativismo do terceiro setor. São Paulo: Cortez; 1999.
15 Amato J, Souza V, Falcão TBC. A Olimpização do Surf. In: Rubio K. Editors. Do pós ao neo Olimpismo: Esporte e movimento no século XXI. São Paulo: Képos; 2019.
16 Warshaw M. A História do surfe. San Francisco: Hartcourt, Inc; 2010.
17 Confederação Brasileira de Esportes [Internet]. [citado 26 Aug 2019]. Disponível em http://www.cbe.esp.br/modalidades.php.
18 Fortes R. O surfe brasileiro e as mídias sonora e audiovisual nos anos 1980: Comunicação e Esporte. Logus: Comunicação e Esporte. 2010;17(2): 90-105.
19 Benjamin W. Obras escolhidas. Vol. I. São Paulo: Brasiliense; 2012.
20 Ricoeur P. L’Identité Naarative. Rev Sprit. 1988; 295–304.
21 Rubio K. A experiência da pesquisa “Memórias olímpicas por atletas olímpicos brasileiros”. Acervo. 2014; 27(2): 93–105.
22 Rubio K. Memória, esquecimento e meta-história: entre Mnemosine e Letho. In: Rubio K, editor. Narrativas biográficas: da busca à construção de um método. São Paulo: Laços; 2016.
23 Veloso RC, Rubio K. Objetos biográficos: tempos vivos para narrativas. In: Rubio K, editor. Narrativas biográficas: da busca à construção de um método. São Paulo: Laços; 2016. p. 229–242.
24 Rubio K. A história de vida como método e instrumento para a apreensão do imaginário esportivo contemporâneo. Motus Corporis. 2003;11(1):30–48.
25 Rubio K. Biographical narratives of Olympic Athletes: An access road to identity and Brazilian sports imagery. Am Int J Soc Sci. 2015;4(1): 85–90.
26 Rubio K, Carvalho AL. Areté, fair play e o movimento olímpico contemporâneo. Rev Port Ciências do Desporto. 2005;3(5): 350–357.
27 Rubio K. Marcos de uma caminhada: Imaginário, método, intuição e mapas de pesquisa com narrativas biográficas. In: Leão L, editor. Processos do Imaginário. São Paulo: Laços Editora; 2016. p. 51–75.
28 Ferreira Junior NS De. Contexto e elementos constitutivos do método. In: Rubio K, editor. Narrativas biográficas: da busca à construção do método. São Paulo: Képos; 2016. p. 105–19.
29 Meihy JCSB. Manual de história oral. São Paulo: Loyola; 2005.
30 Meihy JCSB, Holanda F. História oral: Como fazer, como pensar. São Paulo: Editora Contexto; 2007.
31 Leffa VJ. Aspectos da leitura. Porto Alegre: Sagra - DC Luzzatto; 1996.
32 Halbwachs M. A memória coletiva. São Paulo: Centauro; 2006.
33 Stone L. Prosopografia. Rev Sociol Política. 2011;19(39): 115–37.
34 Bosi E. O Tempo Vivo da Memória. São Paulo: Ateliê Editorial; 2003.
35 Rubio K. Narrativas biográficas: da busca à construção de um método. Rubio K, editor. São Paulo: Laços; 2016. p. 39-56.
El estudio tiene como objetivo observar en el entorno de práctica de surf, entendido como una manifestación de la cultura del cuerpo del movimiento, en las estructuras deportivas de ocio y rendimiento, la posibilidad y el poder del desarrollo de elementos de educación no formal. Para este propósito, el concepto metodológico de narrativa biográfica se aplicó a los participantes del Proyecto Social Surf e SUP para Todos, fundado en 2009 en Caraguatatuba - costa norte del estado de São Paulo, donde la narrativa del entrenador / maestro, Luciano Santana - Fundador del proyecto - fue grabado. La narrativa, analizada por este estudio, también está compuesta por el informe de un estudiante que estuvo presente en ese momento y ayudó a legitimar la narración del entrenador / maestro. Los elementos analizados de las narrativas biográficas del entrenador / profesor y su alumno sugieren que la práctica del surf contiene potenciales más allá de la dimensión deportiva, relacionados con el alto rendimiento, porque también puede abordarse como un instrumento pedagógico y un espacio para la interacción social. , permitiendo a sus practicantes, momentos que pueden reunir el placer, el aprendizaje y la excelencia del cuerpo en movimiento en sus diversas configuraciones de práctica; Ocio, salud y calidad de vida competitiva y profesional.
Referencias
1 Rubio K, Veloso RC, Leão L. Between solar and lunar hero: A cartographic study of Brazilian Olympic athletes in the social imaginary. Imago A J Soc Imaginary. 2018;(11): 147–62.
2 Rubio K. A dinâmica do esporte olímpico do século XIX ao XXI. Rev Bras Educ Física e Esporte. 2011; 25:83–90.
3 Rubio K. From Amateurism to professionalism: sport’s transformations by the Brazilian Olympic Athletes’ lenses. Humanit Soc Sci. 2013; 1(3):85.
4 Han B-C. Sociedade do cansaço. Petrópolis, RJ: Vozes; 2015.
5 Veloso RC. A condição do gregário no ciclismo de estrada. Aspectos de uma prática competitiva singular no esporte contemporâneo. In: Rubio K, editor. Preservação da memória: A responsabilidade social dos Jogos Olímpicos. São Paulo: Laços Editora; 2014.
6 Rubio K. Memória e imaginário de atletas medalhistas olímpicos brasileiros [tese – livre-docência].  São Paulo: Universidade de São Paulo, Escola de Educação Física e Esporte; 2004.
7 Kampiom D. Stoked!: a history of surf culture. Santa Monica, CA: Gibbs Smith; 2003.
8 Kampiom D, Brown B. Uma história da cultura do surfe. Los Angeles: Evergreen; 2000.
9 Booth D. History, culture, surfing: Exploring historiographical relationships. J Sport Hist. 2013; 40(1): 3-20.
10 International Surfing Association (ISA) [Internet]. [citado 26 Aug 2019]. Disponível em https://www.isasurf.org/.
11 World Surfing League (WSF) [Internet]. [citado 26 Aug 2019]. Disponível em https://www.worldsurfleague.com/.
12 Smith MK. What is non-formal education? [Internet]. 1996 [citado 26 Aug 2019]. Disponível em http://infed.org/mobi/what-is-non-formal-education/.
13 Marandino M. Faz sentido ainda propor a separação entre os termos educação formal, não formal e informal? Ciência e Educação (Bauru). 2017; 23(4): 811–816.
14 Gohn MG. Educação não-formal e cultura política: Impactos sobre o associativismo do terceiro setor. São Paulo: Cortez; 1999.
15 Amato J, Souza V, Falcão TBC. A Olimpização do Surf. In: Rubio K. Editors. Do pós ao neo Olimpismo: Esporte e movimento no século XXI. São Paulo: Képos; 2019.
16 Warshaw M. A História do surfe. San Francisco: Hartcourt, Inc; 2010.
17 Confederação Brasileira de Esportes [Internet]. [citado 26 Aug 2019]. Disponível em http://www.cbe.esp.br/modalidades.php.
18 Fortes R. O surfe brasileiro e as mídias sonora e audiovisual nos anos 1980: Comunicação e Esporte. Logus: Comunicação e Esporte. 2010;17(2): 90-105.
19 Benjamin W. Obras escolhidas. Vol. I. São Paulo: Brasiliense; 2012.
20 Ricoeur P. L’Identité Naarative. Rev Sprit. 1988; 295–304.
21 Rubio K. A experiência da pesquisa “Memórias olímpicas por atletas olímpicos brasileiros”. Acervo. 2014; 27(2): 93–105.
22 Rubio K. Memória, esquecimento e meta-história: entre Mnemosine e Letho. In: Rubio K, editor. Narrativas biográficas: da busca à construção de um método. São Paulo: Laços; 2016.
23 Veloso RC, Rubio K. Objetos biográficos: tempos vivos para narrativas. In: Rubio K, editor. Narrativas biográficas: da busca à construção de um método. São Paulo: Laços; 2016. p. 229–242.
24 Rubio K. A história de vida como método e instrumento para a apreensão do imaginário esportivo contemporâneo. Motus Corporis. 2003;11(1):30–48.
25 Rubio K. Biographical narratives of Olympic Athletes: An access road to identity and Brazilian sports imagery. Am Int J Soc Sci. 2015;4(1): 85–90.
26 Rubio K, Carvalho AL. Areté, fair play e o movimento olímpico contemporâneo. Rev Port Ciências do Desporto. 2005;3(5): 350–357.
27 Rubio K. Marcos de uma caminhada: Imaginário, método, intuição e mapas de pesquisa com narrativas biográficas. In: Leão L, editor. Processos do Imaginário. São Paulo: Laços Editora; 2016. p. 51–75.
28 Ferreira Junior NS De. Contexto e elementos constitutivos do método. In: Rubio K, editor. Narrativas biográficas: da busca à construção do método. São Paulo: Képos; 2016. p. 105–19.
29 Meihy JCSB. Manual de história oral. São Paulo: Loyola; 2005.
30 Meihy JCSB, Holanda F. História oral: Como fazer, como pensar. São Paulo: Editora Contexto; 2007.
31 Leffa VJ. Aspectos da leitura. Porto Alegre: Sagra - DC Luzzatto; 1996.
32 Halbwachs M. A memória coletiva. São Paulo: Centauro; 2006.
33 Stone L. Prosopografia. Rev Sociol Política. 2011;19(39): 115–37.
34 Bosi E. O Tempo Vivo da Memória. São Paulo: Ateliê Editorial; 2003.
35 Rubio K. Narrativas biográficas: da busca à construção de um método. Rubio K, editor. São Paulo: Laços; 2016. p. 39-56.
Este estudo pretende observar no ambiente de prática do surfe, entendido como uma manifestação da cultura corporal de movimento, nas configurações desde o lazer ao esporte de rendimento, a possibilidade e potência do desenvolvimento de elementos da educação não formal. Para tal objetivo foi utilizado a aplicação do conceito metodológico das Narrativa Biográficas em participantes do Projeto Social Surf e SUP para Todos, fundado em 2009, na cidade de Caraguatatuba – litoral norte do estado de São Paulo, onde foram obtidos o registro da narrativa do Prof. Luciano Santana – idealizador do projeto. A narrativa analisada por este estudo ainda é composta pelo relato de um aluno, que por ventura esteve presente no momento do registro e participou da composição dos dados ao legitimar a narrativa de seu professor. Os elementos analisados das narrativas biográficas deste professor e seu aluno, nos sugerem que a prática do surfe contém potenciais além da dimensão esportiva, relacionada ao alto rendimento, pois, também pode ser abordado como instrumento pedagógico e espaço de interação social, permitindo aos seus praticantes momentos que podem congregar prazer, aprendizado, e a excelência do corpo em movimento em suas diversas configurações de prática; lazer, saúde e qualidade de vida, competitiva, e profissional.
 
Referências
1 Rubio K, Veloso RC, Leão L. Between solar and lunar hero: A cartographic study of Brazilian Olympic athletes in the social imaginary. Imago A J Soc Imaginary. 2018;(11): 147–62.
2 Rubio K. A dinâmica do esporte olímpico do século XIX ao XXI. Rev Bras Educ Física e Esporte. 2011; 25:83–90.
3 Rubio K. From Amateurism to professionalism: sport’s transformations by the Brazilian Olympic Athletes’ lenses. Humanit Soc Sci. 2013; 1(3):85.
4 Han B-C. Sociedade do cansaço. Petrópolis, RJ: Vozes; 2015.
5 Veloso RC. A condição do gregário no ciclismo de estrada. Aspectos de uma prática competitiva singular no esporte contemporâneo. In: Rubio K, editor. Preservação da memória: A responsabilidade social dos Jogos Olímpicos. São Paulo: Laços Editora; 2014.
6 Rubio K. Memória e imaginário de atletas medalhistas olímpicos brasileiros [tese – livre-docência].  São Paulo: Universidade de São Paulo, Escola de Educação Física e Esporte; 2004.
7 Kampiom D. Stoked!: a history of surf culture. Santa Monica, CA: Gibbs Smith; 2003.
8 Kampiom D, Brown B. Uma história da cultura do surfe. Los Angeles: Evergreen; 2000.
9 Booth D. History, culture, surfing: Exploring historiographical relationships. J Sport Hist. 2013; 40(1): 3-20.
10 International Surfing Association (ISA) [Internet]. [citado 26 Aug 2019]. Disponível em https://www.isasurf.org/.
11 World Surfing League (WSF) [Internet]. [citado 26 Aug 2019]. Disponível em https://www.worldsurfleague.com/.
12 Smith MK. What is non-formal education? [Internet]. 1996 [citado 26 Aug 2019]. Disponível em http://infed.org/mobi/what-is-non-formal-education/.
13 Marandino M. Faz sentido ainda propor a separação entre os termos educação formal, não formal e informal? Ciência e Educação (Bauru). 2017; 23(4): 811–816.
14 Gohn MG. Educação não-formal e cultura política: Impactos sobre o associativismo do terceiro setor. São Paulo: Cortez; 1999.
15 Amato J, Souza V, Falcão TBC. A Olimpização do Surf. In: Rubio K. Editors. Do pós ao neo Olimpismo: Esporte e movimento no século XXI. São Paulo: Képos; 2019.
16 Warshaw M. A História do surfe. San Francisco: Hartcourt, Inc; 2010.
17 Confederação Brasileira de Esportes [Internet]. [citado 26 Aug 2019]. Disponível em http://www.cbe.esp.br/modalidades.php.
18 Fortes R. O surfe brasileiro e as mídias sonora e audiovisual nos anos 1980: Comunicação e Esporte. Logus: Comunicação e Esporte. 2010;17(2): 90-105.
19 Benjamin W. Obras escolhidas. Vol. I. São Paulo: Brasiliense; 2012.
20 Ricoeur P. L’Identité Naarative. Rev Sprit. 1988; 295–304.
21 Rubio K. A experiência da pesquisa “Memórias olímpicas por atletas olímpicos brasileiros”. Acervo. 2014; 27(2): 93–105.
22 Rubio K. Memória, esquecimento e meta-história: entre Mnemosine e Letho. In: Rubio K, editor. Narrativas biográficas: da busca à construção de um método. São Paulo: Laços; 2016.
23 Veloso RC, Rubio K. Objetos biográficos: tempos vivos para narrativas. In: Rubio K, editor. Narrativas biográficas: da busca à construção de um método. São Paulo: Laços; 2016. p. 229–242.
24 Rubio K. A história de vida como método e instrumento para a apreensão do imaginário esportivo contemporâneo. Motus Corporis. 2003;11(1):30–48.
25 Rubio K. Biographical narratives of Olympic Athletes: An access road to identity and Brazilian sports imagery. Am Int J Soc Sci. 2015;4(1): 85–90.
26 Rubio K, Carvalho AL. Areté, fair play e o movimento olímpico contemporâneo. Rev Port Ciências do Desporto. 2005;3(5): 350–357.
27 Rubio K. Marcos de uma caminhada: Imaginário, método, intuição e mapas de pesquisa com narrativas biográficas. In: Leão L, editor. Processos do Imaginário. São Paulo: Laços Editora; 2016. p. 51–75.
28 Ferreira Junior NS De. Contexto e elementos constitutivos do método. In: Rubio K, editor. Narrativas biográficas: da busca à construção do método. São Paulo: Képos; 2016. p. 105–19.
29 Meihy JCSB. Manual de história oral. São Paulo: Loyola; 2005.
30 Meihy JCSB, Holanda F. História oral: Como fazer, como pensar. São Paulo: Editora Contexto; 2007.
31 Leffa VJ. Aspectos da leitura. Porto Alegre: Sagra - DC Luzzatto; 1996.
32 Halbwachs M. A memória coletiva. São Paulo: Centauro; 2006.
33 Stone L. Prosopografia. Rev Sociol Política. 2011;19(39): 115–37.
34 Bosi E. O Tempo Vivo da Memória. São Paulo: Ateliê Editorial; 2003.
35 Rubio K. Narrativas biográficas: da busca à construção de um método. Rubio K, editor. São Paulo: Laços; 2016. p. 39-56.
 
Publisher Olimpianos
 
Date 2019-09-05
 
Type info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion
 
Format application/pdf
 
Identifier http://olimpianos.com.br/journal/index.php/Olimpianos/article/view/60
10.30937/2526-6314.v2n3.id60
 
Source Olimpianos - Journal of Olympic Studies; Vol 2 No 3 (2018); 539-554
Olimpianos - Journal of Olympic Studies; Vol. 2 Núm. 3 (2018); 539-554
Olimpianos - Journal of Olympic Studies; v. 2 n. 3 (2018); 539-554
2526-6314
 
Language por
 
Relation http://olimpianos.com.br/journal/index.php/Olimpianos/article/view/60/45
 

Contact Us

The PKP Index is an initiative of the Public Knowledge Project.

For PKP Publishing Services please use the PKP|PS contact form.

For support with PKP software we encourage users to consult our wiki for documentation and search our support forums.

For any other correspondence feel free to contact us using the PKP contact form.

Find Us

Twitter

Copyright © 2015-2018 Simon Fraser University Library