How Entrepreneurs Work: A Psychodynamic Reading of Work Organization of Entrepreneurs Group

Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas – REGEPE

View Publication Info
 
 
Field Value
 
Title How Entrepreneurs Work: A Psychodynamic Reading of Work Organization of Entrepreneurs Group
Como os Empreendedores Trabalham: Uma Leitura Psicodinâmica da Organização do Trabalho de um Grupo de Empreendedores
 
Creator Guimarães Júnior, Edward Humberto
 
Subject Entrepreneurship; Entrepreneur; Work Psychodynamics
Empreendedorismo; Empreendedor; Psicodinâmica do Trabalho
 
Description The entrepreneurial action has been highly valued in the current economic, political and social model, but few studies consider entrepreneurs as workers that they are. Due to this situation, the objective of this study is to describe the work organization of the entrepreneurs, privileging the understanding of the subjective aspects mobilized by them from concrete work situations, taking as a theoretical-methodological approach the Psychodynamics of Work. Four collective sessions were held with a group of eight entrepreneurs, with a total duration of approximately 12 hours. The data collection instrument was a semi-structured questionnaire. The sessions were recorded on video, transcribed and then analyzed using the Content Analysis technique. It can be observed that the form of organization of the work of the entrepreneur differs from most of the workers, being characterized by a routine of contingencies and preparation, requiring a greater capacity of planning and flexibility in the accomplishment of its labor activities. In general, entrepreneurs have a daily agenda full of commitments, which leads to an intense workload. Although, they have the power to make changes in the organization of their work, in their activities and schedules, providing greater freedom and autonomy in daily work. It was verified that, in creating the business itself, the entrepreneurs become active agents in the modeling of both the work itself and its organizations, providing them with a better psychic discharge. However, the freedom attributed to entrepreneurs' work is limited by government bureaucracy, socio-professional relations and the labor market.
A ação empreendedora está sendo bastante valorizada no atual modelo econômico, político e social, porém, poucos estudos consideram os empreendedores na condição de trabalhadores que de fato são. Em razão desta situação, o objetivo deste estudo é descrever a organização do trabalho dos empreendedores, privilegiando a compreensão dos aspectos subjetivos mobilizados por eles a partir de situações concretas de trabalho, tendo como abordagem teórico-metodológica a Psicodinâmica do Trabalho. Foram realizadas quatro sessões coletivas com um grupo de oito empreendedores, com duração total aproximada de doze horas. O instrumento de coleta de dados foi um questionário semiestruturado. As sessões foram gravadas em vídeo, transcritas e depois analisadas utilizando a técnica de Análise de Conteúdo. Pôde-se constatar que a forma de organização do trabalho do empreendedor se diferencia da maioria dos trabalhadores, sendo caracterizada por uma rotina de imprevistos e preparação, requerendo uma maior capacidade de planejamento e flexibilidade na realização de suas atividades laborais. Em geral, os empreendedores possuem uma agenda diária cheia de compromissos, o que remete a uma carga de trabalho intensa. Contudo, eles possuem o poder de fazer modificações na organização do trabalho, em suas atividades e horários, proporcionando maior liberdade e autonomia no cotidiano laboral. Constatou-se que, ao criar o próprio negócio, os empreendedores tornam-se agentes ativos na modelagem tanto do próprio trabalho quanto de suas organizações, propiciando melhor descarga psíquica. Contudo, a liberdade atribuída ao trabalho dos empreendedores é limitada pela burocracia governamental, pelas relações socioprofissionais e pelo mercado de trabalho.
 
Publisher Revista de Empreendedorismo e Gestao de Pequenas Empresas - REGEPE
 
Contributor
Universidade Federal de Goiás
Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Economia
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás
Pontifícia Universidade Católica de Goiás
 
Date 2019-01-01
 
Type info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion


 
Format application/pdf
 
Identifier http://www.regepe.org.br/regepe/article/view/889
10.14211/regepe.v8i1.889
 
Source Iberoamerican Journal of Entrepreneurship and Small Business; v. 8, n. 1 (2019): Janeiro - Abril; 149-175
REGEPE - Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas; v. 8, n. 1 (2019): Janeiro - Abril; 149-175
2316-2058
 
Language por
 
Relation http://www.regepe.org.br/regepe/article/view/889/pdf
/*ref*/Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.
/*ref*/Borges Júnior, C., Nassif, V., & Andreassi, T. (2017). (A falta de) Indicadores de Empreendedorismo no Brasil. REGEPE, v. 6, pp. 1-9.
/*ref*/Cantillon, R. (1725). Essai sur la Nature du Commerce en General. Paris: INED, 1755.
/*ref*/Chanlat, Jean-François (1995). Quais carreiras e para qual sociedade. Revista de Administração de Empresas, v. 35(6), pp. 67-75.
/*ref*/Collins, O., & Moore, D. (1970). The organization makers: a behavioral study of independente entrepreneurs. New York: Appleton-Century-Crofts.
/*ref*/Dejours, C., Abdoucheli, E., & Jayet, C. (2010). Psicodinâmica do trabalho: contribuições da Escola Dejouriana à Análise da Relação Prazer, Sofrimento e Trabalho. Tradução de Maria Irene Stocco Betiol et al. São Paulo: Atlas.
/*ref*/Dejours, C., & Bègue, F. (2010). Suicídio e trabalho: o que fazer? Brasília, Paralelo 15.
/*ref*/Dejours, C. (2004). Subjetividade, trabalho e ação. Revista Produção, v. 14(3), pp. 27-34.
/*ref*/Dejours, C. (2004). Da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. S. Lancman & L. I. Snelwer (Orgs.). Brasília: Paralelo 15.
/*ref*/Dejours, C. (1999). Conferências brasileiras: identidade, reconhecimento e transgressão no trabalho, São Paulo: Fundap.
/*ref*/Dejours, C. (1949). A loucura do trabalho, de Dejours, São Paulo: Editora Cortez.
/*ref*/De Vries, M. K. (1985). The dark side of entrepreneurship. Harvard Business Review, pp. 160-167.
/*ref*/Druker, P. (1964). Innovation and Entrepreneurship: practice and principles. New York: Harper Row.
/*ref*/Eckert, A., Mecca, M., Diasio, R., & Caraiola, J. A. (2011). Psicologia do trabalho e empreendedorismo: uma análise de suas relações. XXXI Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Enegep, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.
/*ref*/Ésther, A. B., Rodrigues, I. S., & Freire, E. S. (2012). A identidade empreendedora no contexto de empresas de pequeno porte. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 1(2).
/*ref*/Filion, L. J. (2000). Empreendedorismo e gerenciamento: processos distintos, porém complementares. RAE Light., v. 7(3), pp. 2-7.
/*ref*/Filion, L. J. (1993). Visão e relações: elementos para um metamodelo empreendedor. Revista de Administração de Empresas, v. 6(33).
/*ref*/Frese, M. (2009). Rumo a uma psicologia do empreendedorismo: uma perspectiva da teoria ação. Fortaleza: Revista de Psicologia, v. 1(1), pp. 9-32.
/*ref*/Gartner, W. (1985). A conceptual framework for describing the phenomenon of new venture creation. Academy o Management Review. V. 10 (4), pp. 696-706.
/*ref*/Guimarães, L. O., & Siqueira, M. M. (2010). Empreendedorismo: à procura de uma abordagem de pesquisa. Coleção Empreendedorismo e Estratégia. Curitiba: Editora PUCPR.
/*ref*/Macêdo, K. B. (2010). O trabalho de quem faz arte e diverte os outros. Goiânia: Editora da Pontifícia Universidade Católica de Goiás.
/*ref*/Machado, H. V. (1999). Tendências do comportamento gerencial da mulher empreendedora. Anais do Enanpad, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
/*ref*/Marshall, A. (1985). Princípios da economia: tratado introdutório. São Paulo: Nova Cultural.
/*ref*/McClelland, D. (1961). The Achieving Society. Princeton: Van Nostrand.
/*ref*/Mendes, A. M., & Araújo, L. K. R. (2011). Clínica psicodinâmica do trabalho: práticas brasileiras. Brasília: Ex-líbris.
/*ref*/Minello, I., Scherer, L., Perlin, A. P., Alves, L. C., & Huezo, M. (2011). Comportamento e tipologia do empreendedor diante do insucesso empresarial. XXXV Encontro da Anpad, Osasco, São Paulo, Brasil.
/*ref*/Molinier, P. (2004). Psicodinâmica do trabalho e relações sociais de sexo. Um itinerário interdisciplinar. Revista Produção, v. 14(3), pp. 14-26.
/*ref*/Morrone, C. F. (2001). “Só para não ficar desempregado” - ressignificando o sofrimento psíquico no trabalho: estudo com trabalhadores em atividades informais. Dissertação de Mestrado em Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, Brasil.
/*ref*/Nassif, V. M. J., Nassif, W., Piscopo, M. R., & Lima, E. O. (2015). E o que dizem os empreendedores sobre a criação, sobrevivência e desenvolvimento de suas empresas? Um estudo exploratório. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 11(2).
/*ref*/Paiva Jr., F. G. (2004). O empreendedorismo na ação de empreender: uma análise sob o enfoque da fenomenologia sociológica de Alfred Schütz. Tese de Doutorado em Administração, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.
/*ref*/Paulino, A. D., & Rossi, S. M. M. (2003). Um estudo de caso sobre o perfil empreendedor: características e traços de personalidade empreendedora. EGEPE, Brasília. pp. 205-220.
/*ref*/Phelps, E. S. (2006). A Macroeconomia da Moderna Economia. Estocolmo.
/*ref*/Sarasvathy, D., Simon, H. & Lave, L. (1998). Preceiving and managing business risks: Differences between entrepreneurs and bankers. Journal of Economic Behavior and Organization, n.33, pp. 207-225.
/*ref*/Say, J. (1803). Tratado de economia política. Em Os Economistas. São Paulo: Abril Cultural.
/*ref*/Scherer, L., & Minello, I. (2014). Características do comportamento empreendedor durante o insucesso empresarial. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 8(3).
/*ref*/Schmidt, S., & Bohnenberger, M. C. (2009). Perfil empreendedor e desempenho organizacional. Rac, v. 13(3), pp. 450-467.
/*ref*/Schumpeter, J. (1934). Teoria do Desenvolvimento Econômico: Uma investigação sobre lucros, capital, crédito e juro e o ciclo econômico. Em Os Economistas. São Paulo: Nova Cultura.
/*ref*/Shane, S., & Venkataraman, S. (2006). The promise of entrepreneurship as a field of research. Acad- emy of Management. Academy of Management Review, v. 25(1), pp. 217-226.
/*ref*/Silva, W. A. C., Fonseca, R. A., & Araújo, E. A. T. (2015). Comportamento empreendedor e trajetória empresarial de fundadores de MPES em Barão de Coais/MG. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenos Negócios, v. 4(2).
/*ref*/Smith, A. (1776). A Riqueza das Nações. In: Os Economistas. São Paulo: Nova Cultura.
/*ref*/Taylor, F. W. (1995). Princípios da administração científica. São Paulo: Atlas.
/*ref*/Timmons, J. (1978). Characteristics and role demands of entrepreneurship. American Journal of Small Business, v. 3(1), pp. 5-17.
/*ref*/Venkatamaran, S. (1997). The distinctive domain of entrepreneurship research: An editor’s perpective. In: Katz, J., & Brockhaus, R. B. Advances inentrepreneurship, form emergence, and growth. Greenwich. JAI Press.
/*ref*/Weber, M. (1930). The Protestant Ethic and the Spirit of Capitalism. Translated by Talcott Parsons, London: Allen & Unwin.
 
Rights Direitos autorais 2018 REGEPE - Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas
https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0
 

Contact Us

The PKP Index is an initiative of the Public Knowledge Project.

For PKP Publishing Services please use the PKP|PS contact form.

For support with PKP software we encourage users to consult our wiki for documentation and search our support forums.

For any other correspondence feel free to contact us using the PKP contact form.

Find Us

Twitter

Copyright © 2015-2018 Simon Fraser University Library