Leibniz: A Teologia natural dos Chineses no âmbito da Filosofia perene

Modernos & Contemporâneos - International Journal of Philosophy

View Publication Info
 
 
Field Value
 
Title Leibniz: A Teologia natural dos Chineses no âmbito da Filosofia perene
 
Creator Widmaier, Rita
 
Description Leibniz postula a existência de uma Filosofia Natural na Europa, bem como na China, isto,como qualquer ciência, exibindo um lado prático e teórico. Ele está convencido de que os europeuspodem aprender com a ciência prática dos chineses, como estes da ciência teórica européia. Leibnizidentifica essa ciência teórica com a metafísica aristotélica, que ele considera não ser mais do queum prelúdio para seu próprio grande projeto de scientia generalis. Pela ciência prática que eleatribui aos chineses, por outro lado, Leibniz entende suas invenções técnicas e realizações culturais,em particular os personagens chineses e a história antiga, como transmitidos nos clássicos chineses.A limitação da tese de Leibniz sobre uma teologia natural existente na China, no entanto, torna-separticularmente evidente na interpretação da história intelectual chinesa, pois não deve meramentedesconto os livros sagrados chineses, mas sim confirmá-los. Duas obras de missionários jesuítasque diferem fundamentalmente na interpretação dos clássicos chineses tornaram-se importantespara Leibniz: o primeiro assumindo a existência da teologia natural no pensamento do antigo,mas não o chinês moderno, o outro afirmando tanto o antigo como o antigo chinês moderno, paraserem ateus. Para Leibniz, uma solução desta severa contradição é concebível apenas de acordocom a Filosofia Perene da Antiguidade tardia, que ensinou, por exemplo, que a humanidade possuium conhecimento nativo de Deus e Sua Criação, a que os mais antigos filósofos testemunham.A filosofia perene „especial“ de Leibniz caracteriza-se, entre outras características, considerando atradição chinesa, não só a partir de um ponto de vista monoteísta, mas também no que diz respeitoao progresso de todas as ciências. Por isso, Leibniz pode conceber a Fuxi - de acordo com a tradiçãochinesa, o filósofo mais antigo - como tendo elaborado por seus 64 hexagramas, um „Díade chinês“sendo verdade (como a própria invenção de Leibniz), uma analogia com a Criação.
 
Publisher Cemodecon - IFCH
 
Contributor
 
Date 2018-03-03
 
Type info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion

 
Format application/pdf
 
Identifier https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/modernoscontemporaneos/article/view/3045
 
Source Modernos & Contemporâneos - International Journal of Philosophy; v. 1, n. 1 (2017): Dossiê Leibniz e a China
2595-1211
 
Language por
 
Relation https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/modernoscontemporaneos/article/view/3045/2296
 
Rights Direitos autorais 2018 Modernos & Contemporâneos. International Journal of Philosophy.
 

Contact Us

The PKP Index is an initiative of the Public Knowledge Project.

For PKP Publishing Services please use the PKP|PS contact form.

For support with PKP software we encourage users to consult our wiki for documentation and search our support forums.

For any other correspondence feel free to contact us using the PKP contact form.

Find Us

Twitter

Copyright © 2015-2018 Simon Fraser University Library