Characterization and clinical evolution of transplanted patients of a high complexity postoperative unit / Caracterização e evolução clínica dos pacientes transplantados atendidos em uma Unidade Pós Operatória de Alta Complexidade / Caracterización y evolución clínica de los pacientes trasplantados..

Revista de Enfermagem da UFPI

View Publication Info
 
 
Field Value
 
Title Characterization and clinical evolution of transplanted patients of a high complexity postoperative unit / Caracterização e evolução clínica dos pacientes transplantados atendidos em uma Unidade Pós Operatória de Alta Complexidade / Caracterización y evolución clínica de los pacientes trasplantados..
 
Creator Evangelista, Fernanda Vieira Pereira
Rocha, Vera Lúcia Cândido
Barbosa, Aglauvanir Soares
Studart, Rita Mônica Borges
Bonfim, Isabela Melo
Barbosa, Islene Victor
 
Subject
Transplante renal; enfermagem; unidades de terapia intensiva.

 
Description Objetivo: caracterizar os pacientes transplantados atendidos em uma unidade de alta complexidade e sua evolução clínica. Metodologia: estudo descritivo, documental, com abordagem quantitativa. Realizado em uma unidade pós-operatória de alta complexidade em transplantes, de um Hospital Público Terciário, do Município de Fortaleza. A amostra constituída por 109 fichas, dos pacientes transplantados renais, no período de janeiro de 2014 a julho de 2016. A coleta de dados foi realizada no período de fevereiro a março de 2017. Os resultados foram tabulados em uma planilha do programa Excel do Windows XP Profissional, com parecer favorável pelo comitê de ética do referido hospital, sob Protocolo nº 754.462. Resultados: houve uma predominância do sexo masculino em relação ao feminino. Predomínio da faixa etária de 29 a 39 anos, com 33% dos casos. Conforme identificado, o tipo de doação renal que mais se destacou foi de doador falecido, que representou 97,2% dos transplantes realizados, enquanto com doador vivo foi apenas 2,8%. Em relação ao tempo que os pacientes permaneceram em tratamento dialítico antes do transplante, observou-se uma predominância deste tratamento substitutivo por mais de 24 meses com 62,3% dos casos. Conclusão: o transplante renal não representa uma cura, e sim uma outra forma de tratamento substitutivo, é uma opção que abre possibilidades para uma vida bem próxima da normalidade.Descritores: Transplante de Rim. Enfermagem. Unidades de Terapia Intensiva.
 
Publisher Universidade Federal do Piauí
 
Contributor
 
Date 2018-05-13
 
Type info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion


 
Format application/pdf
 
Identifier http://www.ojs.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/6281
10.26694/2238-7234.714-9
 
Source Revista de Enfermagem da UFPI; v. 7, n. 1 (2018); 4-9
2238-7234
 
Language por
 
Relation http://www.ojs.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/6281/pdf
http://www.ojs.ufpi.br/index.php/reufpi/article/downloadSuppFile/6281/1332
 
Coverage


 
Rights Direitos autorais 2018 Revista de Enfermagem da UFPI
 

Contact Us

The PKP Index is an initiative of the Public Knowledge Project.

For PKP Publishing Services please use the PKP|PS contact form.

For support with PKP software we encourage users to consult our wiki for documentation and search our support forums.

For any other correspondence feel free to contact us using the PKP contact form.

Find Us

Twitter

Copyright © 2015-2018 Simon Fraser University Library