ENSINO DE CIÊNCIAS EM ESPAÇOS NÃO FORMAIS À LUZ DA EPISTEMOLOGIA BACHELARDIANA

REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática

View Publication Info
 
 
Field Value
 
Title ENSINO DE CIÊNCIAS EM ESPAÇOS NÃO FORMAIS À LUZ DA EPISTEMOLOGIA BACHELARDIANA
 
Creator Lobo, Huanderson Barroso
Trindade, Daniela Sulamita Almeida da
Cordovil, Ronara Viana
 
Subject Educação; Ciências Humanas
Ensino de Ciências, Obstáculos Epistemológicos, Concepções.
 
Description As experiências sensitivas presentes nos espaços não formais fornecem variadas possibilidades que contribuem para a aprendizagem em ciências, suscitando interesse pela compreensão do fenômeno estudado. Desse modo, a abordagem aponta possibilidades de aproximação entre os temas científicos e os espaços não formais, com a finalidade de facilitar a compreensão da ciência a estudantes da Educação Básica e tem o objetivo de relacionar o ensino de ciências, em espaço formal e não formal com os obstáculos epistemológicos, propostos por Bachelard, considerando as concepções dos aprendizes como modelos explicativos postos em ruptura, mediante a problematização do objeto científico. A pesquisa de cunho fenomenológico, com uma abordagem qualitativa, é complementada com observações de campo in lócus, como parte das atividades que estamos realizando junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia, da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Conclui-se que, a visita a espaços não formais, ampliam as possiblidades de aprendizagem, conectando ciência e tecnologia, oportunizando a apropriação do conhecimento científico.
 
Publisher Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
 
Contributor
 
Date 2017-12-01
 
Type info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion

 
Format application/pdf
 
Identifier http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/5458
10.26571/2318-6674.a2017.v5.n2.p235-248.i5458
 
Source Revista REAMEC; v. 5, n. 2 (2017): Julho a Dezembro de 2017; 235-248
2318-6674
 
Language por
 
Relation http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/reamec/article/view/5458/pdf
/*ref*/ASTOLFI, J. P. El “error”, un medio para enseñar. Díada/SEP Biblioteca para la actualización del Magisterio México, 2004, pp. 7 -25. Disponível em:< https://prezi.com/.../elerror-un-medio-para-ensenar>. Acesso em: 22 de mai.de 2016.
/*ref*/ASTOLFI, J.P.; PETERFALVI, B.; VÉRIN.A. Como as crianças aprendem as ciências. Tradução Maria Jóse Figueiredo. Coleção Horizontes Pedagógicos. Instituto Piaget: 1998.
/*ref*/BACHELARD, G. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.
/*ref*/BECKER, H. S. Falando da Sociedade. Ensaios sobre as Diferentes Maneiras de Representar o Social, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2009.
/*ref*/BLOCK, M. A apologia da História ou o ofício do historiador. RJ: Jorge Zahar, 2001.
/*ref*/Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais /Secretaria de Educação Fundamental. (Terceiro e Quarto Ciclo), Brasília: MEC /SEF, 1998.
/*ref*/CORRÊA, J.M.; GERHARD, P.; FIGUEIREDO, R. O. Ictiofauna de igarapés de pequenas bacias de drenagem em área agrícola do Nordeste Paraense, Amazônia Oriental. Revista Ambiente & Água. An Interdisciplinary Journal of Applied Science: v. 7, n.2, 2012. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/ambiagua/v7n2/v7n2a17.pdf>. Acesso em: 31 de mai. 2016. p. 214-229.
/*ref*/DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A. Metodologia do ensino de Ciências. São Paulo: Cortez, 1992.
/*ref*/GIORDAN, A; VECCHI, G. de. As origens do saber: das concepções dos aprendentes aos conceitos científicos. 2.ed. Porto Alegre: Artes médicas, 1996.
/*ref*/KRASILCHIK, M. O professor e o currículo das ciências. São Paulo: EPU, 1987.
/*ref*/MACIEL, H. M.; FACHÍN TERÁN, A. O potencial pedagógico dos Espaços não formais da Cidade de Manaus. Curitiba, PR: CRV, 2014. 12p.
/*ref*/MASSARANI, L.; MOREIRA, I.C.; BRITO, F. (Org.). CIÊNCIA e PÚBLICO: caminhos para a divulgação científica no Brasil. Rio de Janeiro: Casa da Ciência, 2002. Disponível em: <http://www.museudavida.fiocruz.br/index.php/publicacoes/livros/747-tcc-54>.Acesso em 22 de abr. de 2017.
/*ref*/MELO, M. do R. de. Ensino de Ciências: uma participação ativa e cotidiana, 2000. Disponível em: <http://www.rosamelo.hpg.com.br/>. Acesso em: 16 de Agosto de 2016.
/*ref*/MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. Trad. Carlos Alberto R. de Moura. São Paulo: Martins Fontes. Livraria Martins Fontes Editora Ltda. 1999.
/*ref*/REIS, A. C. F. O seringal e o seringueiro. Manaus: Editora da Universidade do Amazonas. Governo do Estado do Amazonas, 1953.
/*ref*/TRINDADE, D.S.A.; AGUIAR, J.V.S.; VIEIRA, E.I.T. O Museu do Seringal Vila Paraíso: um recorte da história da ciência na passagem do século XIX para o século XX. Realize-Eventos e Editora. Anais III CONEDU. Disponível em:<http://www.editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO EV056 MD1 SA18 ID3423 03062016115330.pdf.>. Acesso: 22 de Abr.de 2017.
 
Rights Direitos autorais 2017 REAMEC - Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática
http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0
 

Contact Us

The PKP Index is an initiative of the Public Knowledge Project.

For PKP Publishing Services please use the PKP|PS contact form.

For support with PKP software we encourage users to consult our wiki for documentation and search our support forums.

For any other correspondence feel free to contact us using the PKP contact form.

Find Us

Twitter

Copyright © 2015-2018 Simon Fraser University Library