: Temporary analysis of the 50 meters rescue with material test, comparative study between life ring, float buoy and rescue tube.

Revista de Investigación en Actividades Acuáticas

View Publication Info
 
 
Field Value
 
Title : Temporary analysis of the 50 meters rescue with material test, comparative study between life ring, float buoy and rescue tube.
Análisis temporal de la prueba de 50 metros rescate con material. estudio comparativo entre aro salvavidas, boya torpedo y tubo de rescate
Análise temporária do teste de 50 metros de resgate com material. estudo comparativo entre bóia circular, bóia de torpedo e cinto de salvamento.
Análise temporária do teste de 50 metros de resgate com material. estudo comparativo entre bóia circular, bóia de torpedo e cinto de salvamento.
 
Creator Álvarez Santamarta, Rubén
Manuel Díez Herrero, José
Molinero González, Olga
Salguero del Valle, Alfonso
 
Subject socorrista, rescate, arrastre, boya, aro, tubo, presteza.
 
Description Background: Aquatic lifeguards must use different rescue materials, although there are few quantitative studies to point out advantages and disadvantages of using each of them.
Goals: To determine, through a quantitative kinematic study, advantages and disadvantages of three different types of rescue materials in an aquatic facility rescue drill.
Method: 19 lifeguards carried out the 50m rescue with material test. The test was performed three times, each with a different rescue material (ring, buoy and tube). Different temporal and angular variables were analysed. Subsequently, a descriptive, comparative and correlational analysis were carried out using the SPSS 26.0 statistical package.
Results: Significant differences were not obtained with respect to the total test time (TT) between the buoy, the ring and the tube. The most favourable drag angle (ANGARR) was obtained with the tube, however, the ring was the material that presented a better swimming angle (ANGNA), and a better percentage of placement success.
Conclusions: No significant differences in TT have been observed between the materials, so we consider that all of them may be suitable for performing a rescue with characteristics similar to those of the test used. However, provided information may help us to analyse, depending on the circumstances, which material would be more suitable in each case in a real emergency situation.
Antecedentes: Los socorristas acuáticos están obligados a utilizar diferentes materiales de salvamento, sin embargo, existe una carencia de estudios de tipo cuantitativo que señalen las ventajas e inconvenientes de la utilización de cada uno de ellos.
Objetivos: Determinar, a través de un estudio cinemático cuantitativo, cuales son las ventajas e inconvenientes de tres tipos diferentes de materiales de rescate en un simulacro de rescate en una instalación acuática.
Método: 19 socorristas realizaron la prueba de 50 m rescate con material. La prueba se realizó en tres ocasiones, cada una con un material de rescate diferente (aro, boya y tubo). Se analizaron diferentes variables temporales y angulares. Posteriormente se llevó a cabo un análisis descriptivo, comparativo y correlacional utilizando el paquete estadístico SPSS 26.0.
Resultados: No se obtuvieron diferencias significativas respecto al tiempo total de la prueba (TT) entre la boya, el aro y el tubo. La angulación de arrastre (ANGARR) más favorable se obtuvo con el tubo; sin embargo, fue el aro el material que presentó un mejor ángulo de nado (ANGNA), y un mejor porcentaje de acierto de colocación.
Conclusiones: No se han observado diferencias significativas en el TT entre los materiales, por lo que se considera que todos ellos pueden ser adecuados para la realización de un rescate con características similares a las de la prueba utilizada. Sin embargo, la información aportada podrá ayudarnos a analizar, en función de las circunstancias, que material sería el más recomendable en cada caso en una situación real de emergencia.
 
Introdução: Os salva-vidas são obrigados a utilizar e controlar diferentes materiais de salvamento, no entanto, existem poucos estudos de tipo quantitativo que demostrem as vantagens e os incovinientes do uso de cada um deles.
Objetivos: Determinar atravês de um estudo cinemático quantitativo, quais as vantagens e os inconvenientes de três tipos diferentes de materiais de resgate numa simulação de resgate numa instalação de água.
Método: 19 salva-vidas realizaram a prova “50m resgate com material” a prova realizou-se em 3 ocasiões, utilizando em cada uma delas um material de resgate diferente (boia circular, boia e cinto de salvamento), analizou-se uma séria de variaveis temporais e angulares. Após isto, realizou-se uma análise descriptiva, diferenças de médias e análise correlacional utilizando o pacote estatístico SPSS 26.0.
Resultados: Não foram obtidas diferenças significativas em relação ao tempo total de teste (TT) entre a bóia, a boia circular e o cinto de salvamento. A angulação de reboque (ANGARR) mais favorável obteve-se com o cinto de salvamento, embora, foi o boia circular o material com que se obteve um melhor ângulo de nado (ANGNA) e também com o que se conseguiu uma melhor porcentagem de acerto de colocação no acidentado.
Conclusões: Não foram observadas diferenças significativas no TT entre os materiais, portanto consideramos que todos eles podem ser adequados para a realização de um resgate com características semelhantes às do ensaio utilizado. Porém, a informação aportada poderá ayudar-nos a analizar, em função das circunstancias, que material seria o mais recomendável em cada caso em uma situação real de emergencia.
Introdução: Os salva-vidas são obrigados a utilizar e controlar diferentes materiais de salvamento, no entanto, existem poucos estudos de tipo quantitativo que demostrem as vantagens e os incovinientes do uso de cada um deles.
Objetivos: Determinar atravês de um estudo cinemático quantitativo, quais as vantagens e os inconvenientes de três tipos diferentes de materiais de resgate numa simulação de resgate numa instalação de água.
Método: 19 salva-vidas realizaram a prova “50m resgate com material” a prova realizou-se em 3 ocasiões, utilizando em cada uma delas um material de resgate diferente (boia circular, boia e cinto de salvamento), analizou-se uma séria de variaveis temporais e angulares. Após isto, realizou-se uma análise descriptiva, diferenças de médias e análise correlacional utilizando o pacote estatístico SPSS 26.0.
Resultados: Não foram obtidas diferenças significativas em relação ao tempo total de teste (TT) entre a bóia, a boia circular e o cinto de salvamento. A angulação de reboque (ANGARR) mais favorável obteve-se com o cinto de salvamento, embora, foi o boia circular o material com que se obteve um melhor ângulo de nado (ANGNA) e também com o que se conseguiu uma melhor porcentagem de acerto de colocação no acidentado.
Conclusões: Não foram observadas diferenças significativas no TT entre os materiais, portanto consideramos que todos eles podem ser adequados para a realização de um resgate com características semelhantes às do ensaio utilizado. Porém, a informação aportada poderá ayudar-nos a analizar, em função das circunstancias, que material seria o mais recomendável em cada caso em uma situação real de emergencia.
 
Publisher Miguel Hernández University of Elche
 
Date 2021-02-24
 
Type info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion
 
Format application/pdf
 
Identifier https://revistas.innovacionumh.es/index.php/investigacionactividadesacuatica/article/view/1308
10.21134/riaa.v4i8.1308
 
Source Research Journal in Aquatic Activities; Vol. 4 No. 8 (2020): RIAA
Revista de Investigación en Actividades Acuáticas; Vol. 4 Núm. 8 (2020): RIAA
2530-805X
10.21134/riaa.v4i8
 
Language spa
 
Relation https://revistas.innovacionumh.es/index.php/investigacionactividadesacuatica/article/view/1308/1406
 
Rights Derechos de autor 2021 Rubén Álvarez Santamarta, José Manuel Díez Herrero, Olga Molinero González, Alfonso Salguero del Valle
https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0
 

Contact Us

The PKP Index is an initiative of the Public Knowledge Project.

For PKP Publishing Services please use the PKP|PS contact form.

For support with PKP software we encourage users to consult our wiki for documentation and search our support forums.

For any other correspondence feel free to contact us using the PKP contact form.

Find Us

Twitter

Copyright © 2015-2018 Simon Fraser University Library