Envelhecimento Bem-Sucedido: Estamos Preparados?/Successful Aging: Are we Prepared?

Revista Ciências em Saúde

View Publication Info
 
 
Field Value
 
Title Envelhecimento Bem-Sucedido: Estamos Preparados?/Successful Aging: Are we Prepared?
 
Creator Ferreira, Heloísa Gonçalves
 
Subject Ciências da Saúde
 
Description Não é novidade que o Brasil vivencia um processo de envelhecimento da população, ocasionado principalmente por aumentos na expectativa de vida e quedas nas taxas de natalidade e mortalidade. Estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que, em 2050, os indivíduos com 60 anos ou mais serão aproximadamente 30% da população total do país.1 Embora uma parcela dessa população seja capaz de se manter com níveis adequados de qualidade de vida, outra parte significativa sofre de transtornos cognitivos e psicológicos, perda de funcionalidade, doenças crônicas e fatores diversos que afetam a qualidade de vida de forma considerável. Logo, são inúmeras as consequências desse fenômeno demográfico no âmbito da saúde, além dos desdobramentos na conjuntura econômica, política, social e cultural do país. Entretanto, o ponto que pretendo destacar no contexto desse fenômeno refere-se ao que tem sido considerado na literatura científica como envelhecimento bem-sucedido, bem como quanto tal conceito está associado a estilos de vida adotados ao longo de toda a vida.A trajetória do envelhecimento é distinta para os indivíduos e depende da combinação de uma série de fatores biológicos, psicológicos, sociais, culturais e econômicos. Um dos modelos teóricos mais aceitos e difundidos na literatura, para compreender o que seria o envelhecimento bem-sucedido, é o proposto por Rowe e Kahn.2 Esse modelo assume basicamente que o envelhecimento bem-sucedido seria uma combinação dos seguintes três fatores: (1) habilidade de se manterem baixos os riscos para doenças e incapacidades; (2) boa saúde física e mental; e (3) engajamento ativo com a vida. Posteriormente, um quarto fator foi incorporado:3 a importância da espiritualidade positiva, definida como a capacidade de desenvolver uma relação pessoal e internalizada com o sagrado ou o transcendente que não esteja vinculada à raça, etnia, economia ou classe social, e que promova o bem-estar para si e para os outros. 
 
Publisher AISI/FMIt/HE
 
Contributor
 
Date 2016-12-16
 
Type info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion

Editorial
 
Format application/pdf
 
Identifier http://200.216.240.50/rcsfmit/ojs-2.3.3-3/index.php/rcsfmit_zero/article/view/601
10.21876/rcsfmit.v6i4.601
 
Source REVISTA CIÊNCIAS EM SAÚDE; v. 6, n. 4 (2016); 2-4
2236-3785
10.21876/rcsfmit.v6i4
 
Language por
 
Relation http://200.216.240.50/rcsfmit/ojs-2.3.3-3/index.php/rcsfmit_zero/article/view/601/382
 
Rights Direitos autorais 2016 REVISTA CIÊNCIAS EM SAÚDE
http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0
 

Contact Us

The PKP Index is an initiative of the Public Knowledge Project.

For PKP Publishing Services please use the PKP|PS contact form.

For support with PKP software we encourage users to consult our wiki for documentation and search our support forums.

For any other correspondence feel free to contact us using the PKP contact form.

Find Us

Twitter

Copyright © 2015-2018 Simon Fraser University Library