Oncologia Moderna: Necessidade da Quebra de Paradigmas, Pré-conceitos e da Estagnação / Modern Oncology: Needs of Breaking Paradigms, Prejudice and Stagnation

Revista Ciências em Saúde

View Publication Info
 
 
Field Value
 
Title Oncologia Moderna: Necessidade da Quebra de Paradigmas, Pré-conceitos e da Estagnação / Modern Oncology: Needs of Breaking Paradigms, Prejudice and Stagnation
 
Creator Oliveira, Harley Francisco de
Yoshinari Júnior, Gerson Hiroshi
Santiago, Antônio César Mendes
 
Subject Ciências da Saúde, Oncologia Moderna
 
Description O câncer engloba uma vasta gama de neoplasias sólidas e não sólidas que possuem a capacidade de invadir tecidos adjacentes e potencial de disseminação à distância. É uma doença devastadora: representa uma patologia carregada de estigma social, com uma carga negativa bastante elevada na grande maioria das vezes, afetando todos os aspectos da vida dos pacientes bem como daqueles com quem convivem (familiares, amigos, cuidadores, etc.). É uma doença secular: as primeiras descrições remetem à Grécia antiga, onde foi descrito como uma doença semelhante a um caranguejo, karkínos, provavelmente devido sua característica infiltrativa em casos mais avançados, porém sua origem dá-se juntamente à origem da própria espécie. É uma doença democrática: salvo alguns casos onde os fatores de risco são bem conhecidos e podem ser evitados, o câncer não privilegia uma ou outra esfera social, limite geográfico, religião ou outro fator ambiental/social. O câncer é hoje a segunda causa de morte no país e no mundo, somente superado pelas doenças cardiovasculares; mais significativo ainda do que sua posição como causa de morte é o crescimento dessa taxa ao longo das últimas décadas e indícios evidentes de que continuará a crescer. As causas dessa impressionante mudança do perfil nosológico do Brasil, acompanhando uma tendência mundial, são em parte conhecidas. Em primeiro lugar, a melhoria das condições de vida e de saneamento básico, a crescente urbanização, a aplicação de medidas preventivas eficientes no controle de doenças infectocontagiosas, entre outros, contribuíram para uma redução significativa das doenças infecciosas e parasitárias. Por outro lado, estas mesmas causas produziram um sensível aumento da expectativa de vida, de 34 anos em 1.900 para 64 anos em 1980. A redução da mortalidade, principalmente nas faixas etárias mais elevadas (acima de 60 anos) e a diminuição da fecundidade resultaram em um aumento relativo e absoluto da população de idosos. De 1.900 a 2.025 a população brasileira terá sido multiplicada por cinco e o segmento de pessoas com mais de 60 anos terá o seu número multiplicado por quinze, fazendo com que em 2.025 a população de brasileiros com mais de 60 anos ultrapasse 13% da população, ou seja, um contingente de mais de 33 milhões de pessoas.
 
Publisher AISI/FMIt/HE
 
Contributor
 
Date 2016-03-31
 
Type info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion

Seção Especial
 
Format application/pdf
 
Identifier http://200.216.240.50/rcsfmit/ojs-2.3.3-3/index.php/rcsfmit_zero/article/view/557
10.21876/rcsfmit.v6i1.557
 
Source REVISTA CIÊNCIAS EM SAÚDE; v. 6, n. 1 (2016); 2-4
2236-3785
10.21876/rcsfmit.v6i1
 
Language por
 
Relation http://200.216.240.50/rcsfmit/ojs-2.3.3-3/index.php/rcsfmit_zero/article/view/557/369
 
Rights Direitos autorais 2016 Revista Ciências em Saúde
https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/
 

Contact Us

The PKP Index is an initiative of the Public Knowledge Project.

For PKP Publishing Services please use the PKP|PS contact form.

For support with PKP software we encourage users to consult our wiki for documentation and search our support forums.

For any other correspondence feel free to contact us using the PKP contact form.

Find Us

Twitter

Copyright © 2015-2018 Simon Fraser University Library