Mulherismo Africana: proposta enquanto equilíbrio vital a comunidade preta

Ítaca

View Publication Info
 
 
Field Value
 
Title Mulherismo Africana: proposta enquanto equilíbrio vital a comunidade preta
 
Creator Viviane Mendes de Moraes, Aza Njeri
Thiago Henrique Borges Brito, Kwame Ankh
Walkiria Gabriele Elias da Costa, Kulwa Mene
 
Subject Filosofia; Educação; História;
gênero, raça e classe; mulherismo africana; movimento negro; feminismo negro; maafa
 
Description Resumo: O presente artigo visa refletir e analisar qual tem sido a agência (ASANTE, 2009) enquanto povo negro na diáspora brasileira e propor caminhos teórico-práticos para criação de outras estratégias agregadoras que possam sulear possíveis direções na resolução de problemas como as questões de raça, gênero e classe. Nessa toada o Mulherismo Africana tem sido nossa proposta quanto aporte dentro de uma agenda pan-africana de organização. Nos guiamos a partir do referencial teórico da epistemologia dos Estudos Africana (KARENGA, 2009; MALOMALO, 2017); além delas alinhamos nossa metodologia a partir da afrocentricidade (ASANTE, 2014) e da afroperspectiva (NOGUERA, 2012) para dada produção do conhecimento.
 
Publisher Universidade Federal do Rio de Janeiro
 
Contributor
 
Date 2020-06-18
 
Type info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion

 
Format application/pdf
 
Identifier https://revistas.ufrj.br/index.php/Itaca/article/view/31961
 
Source Ítaca; n. 36 (2020): Edição Especial - Filosofia Africana; 281 -320
Ítaca; n. 36 (2020): Edição Especial - Filosofia Africana; 281 -320
1679-6799
1519-9002
 
Language por
 
Relation https://revistas.ufrj.br/index.php/Itaca/article/view/31961/19775
/*ref*/ANI, Marimba. Yurugu: an African-centered critique of european cultural thought and behavior. New Jersey: Africa World Press, 1994.
/*ref*/ARRETCHE, Marta. Mitos da Descentralização: Maior Democracia e eficiência nas Políticas Públicas? Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 11, n. 31, p. 44-66, 1996. Disponível em: <http://www.anpocs.org.br/portal/publicacoes/rbcs_00_31/rbcs31_03.htm>. Acesso em 28 de jul. 2018.
/*ref*/ASANTE, Molefi K. Afrocentricidade como um novo paradigma. In NASCIMENTO, Elisa Larkin. Afrocentricidade: notas sobre uma posição disciplinar. Tradução Carlos Alberto Medeiros. São Paulo: Selo Negro, 2009, p. 111 – 128.
/*ref*/___________. Afrocentricidade: a teoria de mudança social. Tradução Ana Monteiro, Ama Mizani, Ana Lucia. Philadelphia: Afrocentricity, 2014.
/*ref*/AIYÊ, Ilê. Romance Do Ilê. Salvador: Interra Music Publishing, 2001. Disponível em: <http:www. youtube.com/ watch?v=CQUFQ_N0JI8&NR=1>. Acesso em: 12 abr. 2008.
/*ref*/BA, A. Hampatê. A tradição viva. In: KI-ZERBO, J.. História geral da África, I: Metodologia e pré-história da África. 2.ed.. Brasília: UNESCO, 2010. p.167-212
/*ref*/COLLINS, Patricia Hill. Se perdeu na tradução? Feminismo Negro, interseccionalidade e política emancipatória. Tradução de Bianca Santana. Parágrafo, Vol. 5, No. 1, 2017, p. 6-17. Disponível em: <http://revistaseletronicas.fiamfaam.br/index.php/recicofi/article/view/559/506>. Acesso em: 02 jan. 2019.
/*ref*/DAVIS, Angela. Mulher, raça e classe. Tradução Heci Candiani. São Paulo: Editora Boitempo, 2016.
/*ref*/DIOP, Cheikh Anta Diop. A unidade cultural da África Negra. Tradução Sílvia Neto. Luanda: Edições Mulemba, 2014. _____________________. Naciones negras y cu ltura. Barcelona: Edições Bellaterra, 2012.
/*ref*/_____________________. The african origin of civilization, myth or reality. Chicago: Lawrence Hill, 1974.
/*ref*/DIVA, Moreira; SOBRINHO, Adalberto Batista. Casamentos Inter-Raciais: O homem negro e a rejeição da mulher negra. In COSTA, Albertina de Oliveira; AMADO, Tina (Org.). Alternativas Escassas: Saúde, Sexualidade e Reprodução na América Latina. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994, p. 81-108.
/*ref*/DOMINGUES, Petrônio. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo. 2007, vol.12, n.23, p.100-122. Disponível em:<http://dx.doi.org/10.1590/S1413-77042007000200007>. Acesso em: 03 abr. 2019. DOVE, Nah. Mulherismo Africana: uma Teoria Afrocêntrica. Universidade Temple. Tradução de Wellington Agudá. Jornal de estudos negros, v. 28, n. 5, maio 1998.
/*ref*/__________. Definindo uma matriz materno-centrada para definir a condição das mulheres. Tradução de Wellington Agudá, 2015. Disponível em:<https://estahorareall.wordpress.com/2015/12/06/defininfo-um a-matriz-materno-centrada-para-definir-a-condicao-das-mulheres-nah-dove/>. Acesso em: 07 fev. 2019
/*ref*/FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Bahia: Editora da Universidade Federal da Bahia, 2008.
/*ref*/__________. Os condenados da terra. Juiz de fora: Editora UFJF, 2005.
/*ref*/FU-KIAU, Kia Bunseki. A visão bântu kôngo da sacralidade do mundo natural. Trad. Valdina O. Pinto. Disponível em: https://estahorareall.files.wordpress.com/2015/07/dr-bunseki-fu-kiau-a-visc3a3o- bantu-kongo-da-sacralidade-do-mundo-natural.pdf . Acesso em 19 de dez. 2019.
/*ref*/________. Kindezi: The Kongo art of babysitting. Baltimore: Inprint Editions, 2000. Disponível em: <http://terreirodegriots.blogspot.com/2018/08/kindezi-arte-do-cuidado-da-crianca-e-do.html.>. Acesso em: 22 nov. de 2019.
/*ref*/GOMES, Nilma Lino. O movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2018.
/*ref*/GONZALEZ. Lélia. Mulher Negra. In NASCIMENTO, Elisa Larkin. Guerreiras de Natureza: mulher negra, religiosidade e ambiente. São Paulo: Selo Negro, 2008, p. 29-48.
/*ref*/_________. Primavera para rosas negras. São Paulo: Diáspora Africana UCPA, 2018.
/*ref*/__________. Política é assunto de mulher? Mulherio. São Paulo, v. I, n. 3, p. 02-23, 1981. Disponível em:<https://www.fcc.org.br/conteudosespeciais/mulherio/arquivo/I_3_1981menor.pdf> Acessado: 02 de jan. 2019.
/*ref*/__________. Hasenbalg, Carlos. Lugar de Negro. Rio de Janeiro: Marco Zero Limitada, 1982.
/*ref*/__________. A categoria político-cultural de amefricanidade. In: Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro, nº 92/93, 1988b, p.69-82.
/*ref*/TENDER, Sílvio. Globalização Milton Santos: o mundo global visto do lado de cá. Youtube. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=-UUB5DW_mnM>. Acesso em: 03 dez. 2019.
/*ref*/HALL, Stuart. Da diáspora: identidade e mediações culturais. Org. Liv Sovik. Tradução Adelaine La Guardiã Resende. Belo Horizonte: Editora UFMG. p. 25-50; 101-130.
/*ref*/__________. Raça, o significante flutuante. Revista Z Cultural, v. X, n. X, 1995.
/*ref*/HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2017.
/*ref*/__________. Vivendo de amor. In: Weneck, Jurema; MENDONÇA, Maisa; WHITE, Evelyn C. O livro da saúde das mulheres negras: nossos passos vêm de longe. Rio de Janeiro, Pallas, 2006. P.188-198. __________. Escolarizando homens negros. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 23, n. 3, p. 677-689, 2015. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/0104-026X2015v23n3p677>. Acesso em: 06 jan. 2019. HUDSON-WEEMS, Clenora. Africana Womanism: the flip side of a coin. Western Journal of Black Studies, The. FindArticles.com. 30 Jul, 2011. JESUS, Carolina Maria. Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Ática. 2014. KARENGA, Maulana. A função e o futuro dos Estudos Africana: reflexões críticas sobre sua missão, seu significado e sua metodologia. NASCIMENTO, Elisa. L. (Org.) Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009.p. 333-359. KASHINDI, Jean-Bosco Kakozi. Ubuntu Como ética africana, humanista e inclusiva. Cadernos IHUideias, v. 15, n 254, p. 03-24, 2003. Disponível em: <http://www.ihu.unisinos.br/images/stories/cadernos/i deias/254cadernosihuideias.pdf>. Acesso: 08 jan. 2019.
/*ref*/LOPES, Nei. Bantos, malês e identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.
/*ref*/LUZ, Marco Aurélio. Agadá: dinâmica da Civilização Africano-Brasileira. 4a edição. Salvador: EDUFBA, 2017.
/*ref*/Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias - Mulheres. Disponível em:<http://depen.gov.br/DEPEN/depen/sisdepen/infopen-mulheres/infopenmulheres_arte_07-03-18.pdf>. Acesso em: 08 de jan. 2019. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias. Disponível em:<http://depen.gov.br/DEPEN/noticias-1/noticias/infopen-levantamento-nacional-de-informacoes-penitenciarias-2016/relatorio_2016_22111.pdf> Acesso em: 08 de jan. 2019.
/*ref*/MALOMALO. Bas ́Ilele. Estudos Africana ou Estudos Africanos: Um campo em processo de consolidação desde a diáspora africana no Brasil. Capoeira – Revista de Humanidades e Letras, v. 3, n. 2, Ano 2017, p. 15-50.
/*ref*/MAZAMA, Ama. Afrocentricidade como um novo paradigma In NASCIMENTO, Elisa Larkin. Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. Tradução Carlos Alberto Medeiros. São Paulo: Selo Negro, 2009, p. 111 – 128.
/*ref*/MBEMBE, A. Crítica da Razão Negra. Trad. Marta Lança. Lisboa: Antígona, 2014.
/*ref*/MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: N-1 Edições, 2018.
/*ref*/MOURA, Clovis. Rebeliões da Senzala. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.
/*ref*/Mulherismo Africana: Katiúscia Ribeiro e Aza Njeri - Programa Ciência & Letras. Disponível em:<https://www.youtube.com/watch?v=wFKi_GrZXak> Acessado: 11 de jan. 2019. NASCIMENTO, Abdias. O quilombismo. Rio de Janeiro: Vozes, 1980. NASCIMENTO, Gizêlda Melo. Grandes Mães, reais senhoras. In NASCIMENTO, Elisa Larkin. Guerreiras de Natureza: mulher negra, religiosidade e ambiente. São Paulo: Selo Negro, 2009, p. 49-64. NJERI, Aza; SISI, Ayana; AZIZA, Dandara. Psicologia africana como ferramenta de mudança social. In: Congresso Alfepsi. Rio de Janeiro: Alfepsi, 2018.
/*ref*/NJERI, Aza; Ribeiro, Katiúscia. Mulherismo africana: práticas na diáspora brasileira. In: Currículo sem Fronteiras. v. 19. n. 2, p. 595-608, maio/ago. 2019.
/*ref*/NJERI, Aza. Educação afrocêntrica como via de luta antirracista e sobrevivência na maafa. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação. Número 31: mai.-out./2019, p. 4-17.
/*ref*/NKOSI, Deivison Faustino. O pênis sem o falo: algumas reflexões sobre homens negros, masculinidades e racismo In Blay, Eva Alterman. Feminismos e Masculinidades: novos caminhos para enfrentar a violência contra a mulher. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014, p. 75-104.
/*ref*/OYĚWÙMÍ, Oyèrónké. Conceituando o gênero: os fundamentos eurocêntricos dos conceitos feministas e o desafio das epistemologias africanas. Tradução Juliana Araújo Lopes para uso didático de: OYĚWÙMÍ, __________. Conceptualizing Gender: The Eurocentric Foundations of Feminist Concepts and the challenge of African Epistemologies. African Gender Scholarship: Concepts, Methodologies and Paradigms. CODESRIA Gender Series. v. 1, n. 1, Dakar, CODESRIA, 2004, p. 1-8.
/*ref*/RAMOSE, Mogobe B. A ética do ubuntu. Tradução Éder Carvalho Wen para uso didático de: RAMOSE, __________. The ethics of ubuntu. In: COETZEE, Peter H.; ROUX, Abraham P.J. (eds). The African Philosophy Reader. New York: Routledge, 2002, p. 324-330.
/*ref*/Relatório do Conselho Nacional de Justiça de 2018. Disponível em <http://www.cnj.jus.br/files/publicacoes/arquivo/5f271e3f54a853da92749ed051cf3059_18ead26dd2ab9cb18f8cb59165b61f27.pdf> Acesso em: 08 de jan. 2019.
/*ref*/__________. Sobre a Legitimidade e o Estudo da Filosofia Africana. Tradução: Dirce Eleonora Nigro Solis, Rafael Medina Lopes, Roberta Ribeiro Cassiano. In: Ensaios Filosóficos, vol. IV, outubro/2011. Disponível em: <http://www.ensaiosfilosoficos.com.br/Artigos/Artigo4/RAMOSE_MB.pdf>. Acesso: 08 de jan. 2019. SANTANA, Tiganá. Reverência. Salvador: Selo independente, 2010. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=Qn4S2eZFg_I>. Acesso em: 12 abr. 2008.
/*ref*/SANTOS, B. S. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes. In SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010b, p. 71-94.
/*ref*/SANTOS, Daniel dos. Ogó: encruzilhadas de uma história das masculinidades e sexualidades negras na diáspora atlântica. Universitas Humanas, v. 11, n. 1, p. 7-20, jan./jun. 2014. Disponível em: <https://www.publicacoesacademicas.uniceub.br/universitashumanas/article/view/2923/2454>. Acesso em: 07 jan. 2019.
/*ref*/SIMAS, Luiz Antonio; RUFINO, Luiz. Fogo no mato: as ciências encantadas das macumbas. Rio de Janeiro: Mórula, 2018.
/*ref*/SODRÉ, Muniz. Pensar Nagô. Rio de Janeiro: Vozes, 2017.
/*ref*/SOMÉ, Sobonfu. O espírito da intimidade: ensinamentos ancestrais africanos sobre maneiras de se relacionar. Odysseus, 2003.
/*ref*/SOUZA, Ana Lúcia Silva. Letramentos de reexistência: Poesia, Grafite, Música, Dança: hip-hop. São Paulo: Editora Parábola, 2011.
/*ref*/SOUZA, Jessé de. A elite do atraso: da escravidão a lava jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.
/*ref*/SOUZA, Neusa Santos. Torna-se negro: as vicitudes da Identidade do Negro Brasileiro em Ascensão Social. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.
/*ref*/THEODORO, Helena. Mulher Negra, Cultura e Identidade In NASCIMENTO, Elisa Larkin. Guerreiras de Natureza: mulher negra, religiosidade e ambiente. São Paulo: Selo Negro, 2009, p. 85-96.
/*ref*/__________. Religiões Afro-Brasileira In NASCIMENTO, Elisa Larkin. Guerreiras de Natureza: mulher negra, religiosidade e ambiente. São Paulo: Selo Negro, 2009, p. 65-84.
/*ref*/TRINDADE, Azoilda Loretto. Valores civilizatórios afro-brasileiros e educação infantil: uma contribuição afro-brasileira. In: BRANDÃO, Ana P.; TRINDADE, Azoilda L. Modos de brincar: caderno de atividades, saberes e fazeres. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 2010.
 
Rights Direitos autorais 2020 Aza Njeri Viviane Mendes de Moraes, Kwame Ankh Thiago Henrique Borges Brito, Kulwa Mene Walkiria Gabriele Elias da Costa
http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0
 

Contact Us

The PKP Index is an initiative of the Public Knowledge Project.

For PKP Publishing Services please use the PKP|PS contact form.

For support with PKP software we encourage users to consult our wiki for documentation and search our support forums.

For any other correspondence feel free to contact us using the PKP contact form.

Find Us

Twitter

Copyright © 2015-2018 Simon Fraser University Library