IR theorization process in Brazil: an analysis from productions in PUC-RJ and UFRGS

Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD

View Publication Info
 
 
Field Value
 
Title IR theorization process in Brazil: an analysis from productions in PUC-RJ and UFRGS
O processo de teorização em Relações Internacionais no Brasil: uma análise a partir das produções em PUC-RJ e UFRGS
 
Creator Decol, Jocieli
Silva, Igor Castellano da
 
Subject International Relation Theories; Global South; Brazil
Teoria de Relações Internacionais. Sul Global. Brasil.
 
Description This research deals with the process of knowledge construction in International Relations (IR). It is directed to the analysis of the construction of International Relations Theory (IRT) in the Global South, and more specifically in Brazil in the 21st century. The main objective is to understand the theorizing process of IRT in the country through the analysis of doctoral theses elaborated in the area, from the Pontifical Catholic University of Rio de Janeiro (PUC-RJ) and the Federal University of Rio Grande do Sul (UFRGS). During the study, it is evaluated (1) the structures of IR that constrain the rise of different theories from the mainstream; (2) the relations of power and knowledge between North and South, which constitute a Center and a Periphery in the academic sphere; (3) new ways proposed by pos- positivist and reflexivist perspectives (4) the main IR theoretical formulations in Latin America, and more specifically in Brazil. The previous conclusions are that, in the cases analyzed, most theorizations are dedicated to the concepts construction or redefinition of and/or the creation of analysis models. The main themes addressed by these are: International Economics, International Security and Foreign Policy. This reflects advances and limitations of theoretical building initiatives in the Global South.
Esta pesquisa trata do processo de construção do conhecimento em Relações Internacionais (RI). Direciona-se à análise da construção de Teorias de Relações Internacionais (TRI) do Sul Global, e mais especificamente, do Brasil no século XXI. O objetivo principal é compreender o processo de teorização em Relações Internacionais no país a partir da análise das teses de doutorado elaboradas na área, da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) e da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Para isso, no decorrer do estudo avaliam-se (1) as estruturas da disciplina de RI que constrangem a ascensão de teorias distintas das mainstream; (2) as relações de poder e conhecimento entre Norte e Sul, que configuram um Centro e uma Periferia no âmbito acadêmico; (3) novos caminhos dentro da disciplina propostos pelas teorias pós-positivistas e reflexivistas (4) e, as principais formulações teóricas em RI da América Latina, mais especificamente do Brasil, através das universidades selecionadas. As conclusões prévias apresentadas são de que a maioria das teorizações nos casos estudados, dedica-se à construção ou redefinição de conceitos e/ou criação de modelos de análise, sendo os principais temas abordados por estas: Economia Internacional, Segurança Internacional e Política Externa. O que reflete avanços e limites das iniciativas de construção teórica no Sul Global.Recebido em: setembro/2019.Aprovado em: março/2020.
 
Publisher UFGD
 
Contributor

 
Date 2019-06-30
 
Type info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion

 
Format application/pdf
 
Identifier http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/moncoes/article/view/11549
10.30612/rmufgd.v8i15.11549
 
Source Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD; v. 8, n. 15 (2019): Dossiê Teoria das Relações Internacionais no Brasil; 308-335
2316-8323
 
Language por
 
Relation http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/moncoes/article/view/11549/5656
/*ref*/ACHARYA, Acharya; BUZAN, Barry. Why Is There No Non-Western International Relations Theory? An Introduction. In: ACHARYA, Acharya.; BUZAN, Barry (Org). Non-Western International Relations Theory: Perspectives on and beyond Asia. Abingdon, UK: Routledge, 2010.
/*ref*/AYOOB, Mohammed. The Third World Security Predicament: State Making, Regional Conflict, and the International System. Boulder: Lynne Rienner Publishers, 1995.
/*ref*/BALLESTRIN, Luciana. O giro decolonial e a América Latina. Disponível em: http://anpocs.com/index.php/encontros/papers/36-encontro-anual-da-anpocs/mr-3/mr19/8321-o-giro-decolonial-e-a-america-latina/file
/*ref*/BALLESTRIN, Luciana. Teoria Política da Decolonização: uma perspectiva latino-americana. IX Encontro ABCP. Brasília, 2014. Dísponível em: <http://www.encontroabcp2014.cienciapolitica.org.br/resources/anais/14/1403747208_ARQUIVO_ABCP2014Ballestrin.pdf>
/*ref*/BARASUOL, Fernanda, B. Teorização (In) Dependente: as Teorias de Relações Internacionais e a formulação da Política Externa Brasileira. Trabalho final de graduação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.
/*ref*/BARASUOL, Fernanda, B. Da dependência à globalização: contribuições brasileiras aos estudos de economia política internacional. Seminário Nacional de Pós-Graduação em Relações Internacionais, v. 1, 2012.
/*ref*/BERNAL-MEZA, Raúl. América Latina en el Mundo: el pensamiento latinoamericano y la teoría de relaciones internacionales. Buenos Aires: Nuevo Hacer, 2005.
/*ref*/BERNAL-MEZA, Raúl. Contemporary Latin American thinking on Inernational Relations: theoretical, conceptual and methodological contributions. Rev. Bras. Polít. Int., 59(1): e005, 2016.
/*ref*/CAMPOS, Rodrigo Duque, E. Filosofia da Ciência e Religiosidade: Problemas do Sagrado na Teoria de Relações Internacionais. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal do Pampa: Santana do Livramento, 2014.
/*ref*/CARDOSO, Fernando,H.; FALLETO, Enzo. Dependência e Desenvolvimento da América Latina. 3 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1970.
/*ref*/CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón. El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Siglo del Hombre Editores, 2007.
/*ref*/CERVO, Amado Luiz. Política exterior e relações internacionais do Brasil: enfoque paradigmático. Revista Brasileira de Política Internacional, v. 46, n. 2, p. 5-25, 2003.
/*ref*/DE LIMA, Maria Regina Soares. A economia política da política externa brasileira: uma proposta de análise. Contexto Internacional, v. 12, n. 1, p. 7, 1990.
/*ref*/DE SOUSA SANTOS, Boaventura; MENESES, Maria Paula. Introdução. In: DE SOUSA SANTOS, B; MENESES, M. (Orgs). Epistemologias do Sul. 1. ed. Coimbra: Edições Almedida.sa, 2009.
/*ref*/DEVÉS-VALDÉS, Eduardo. Cómo pensar los asuntos internacionales-mundiales a partir del pensamiento latinoamericano: Análisis de la teorización. História Unisinos, v. 17, n. 1, p. 48-60, 2013.
/*ref*/DOS SANTOS, Norma Breda; FONSECA, Fúlvio Eduardo. A pós-graduação em relações internacionais no Brasil. Contexto Internacional, v. 31, n. 2, p. 353, 2009.
/*ref*/DIAS, Marcelo Francisco. Do estruturalismo da CEPAL à teoria da dependência: continuidades e rupturas no estudo do desenvolvimento periférico. 2012.197 p. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2012.
/*ref*/DIRLIK, Arif. The end of colonialism? The colonial modern in the making of global modernity. boundary 2, v. 32, n. 1, p. 1-31, 2005.
/*ref*/ESCOBAR, Arturo. Mundos y conocimientos de otro modo. Tabula rasa, v. 1, n. 51-86, 2003.
/*ref*/ESCUDÉ, Carlos. An introduction to Peripheral Realism and its Implications for the Interstate System: Argentina and the Cóndor II Missile Project. In: NEUMAN, Stephanie G. (org). International relations theory and the Third World. Nova Iorque, 1998.
/*ref*/FIORI, José Luís. Maria da Conceição Tavares e a hegemonia Americana. Lua Nova, n.50, 2000.
/*ref*/GANDHI, Leela. Postcolonial theory: A critical introduction. Columbia University Press, 1998.
/*ref*/GROVOGUI, Siba. A revolution nonetheless: The Global South in international relations. The Global South, v. 5, n. 1, p. 175-190, 2011.
/*ref*/HERZ, Mônica. O crescimento da área de relações internacionais no Brasil. Contexto internacional, v. 24, n. 1, p. 7-40, 2002.
/*ref*/HOFFMANN, Stanley. An American social science: international relations. Daedalus, p. 41-60, 1977.
/*ref*/HOLLIS, Martin; SMITH, Steve. Explaining and Understanding International Relations. 1990.
/*ref*/JACKSON, Robert; SØRENSEN, Georg. Introduction to international relations: theories and approaches. 5.ed. UK:Oxford University Press, 2013.
/*ref*/JAGUARIBE, Helio. Autonomía periférica y hegemonía céntrica. Estudios internacionales, p. 91-130, 1979.
/*ref*/JATOBÁ, Daniel. Teoria das Relações Internacionais. São Paulo: Saraiva, 2013.
/*ref*/JULIÃO, Taís Sandrim. Teoria e História das Relações Internacionais: Uma Escola Latino-Americana? Conjuntura Austral, v. 2, n. 7, p. Pág. 51-66, 2011.
/*ref*/KURKI, Milja; WIGHT, Colin. International Relations and Social Science. In: DUNNE, Tim; KURKI, Milja; SMITH, Steve. International Relations Theories: discipline and diversity. 3.ed. Oxford University Press, 2013.
/*ref*/LAFER, Celso. A identidade internacional do Brasil e a política externa brasileira: passado, presente e futuro. Editora Perspectiva, 2001.
/*ref*/LANDER, E. Ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In LANDER, E. (Org). A Colonialidade do Saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales-CLACSO, 2005.
/*ref*/LESSA, A. Instituições, atores e dinâmicas do ensino e da pesquisa em Relações Internacionais no Brasil: o diálogo entre a história, a ciência política e os novos paradigmas de interpretação (dos anos 90 aos nossos dias). Rev. Bras. Polít. Int, v. 48, n. 2, p. 169-184, 2005.
/*ref*/LESSA, Antonio Carlos; COUTO, Leandro Freitas; DE SOUZA FARIAS, Rogério. Distanciamento versus engajamento: alguns aportes conceituais para a análise da inserção do multilateralismo brasileiro (1945-1990). Contexto Internacional, v. 32, n. 2, p. 333, 2010.
/*ref*/LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, v. 22, n. 3, 2014.
/*ref*/LYNCH, Christian Edward Cyril. Por que pensamento e não teoria? A imaginação político-social brasileira e o fantasma da condição periférica (1880-1970). Revista Dados, v. 56, n. 4, 2013.
/*ref*/MALDONADO-TORRES, Nelson. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global, p. 127-167, 2007.
/*ref*/MIGNOLO, Walter. The Geopolitics of Knowledge and the Colonial Difference. Duke University Press, The South Atlantic Quarterly, 2002. Disponível em: <http://www.unice.fr/crookall-cours/iup_geopoli/docs/Geopolitics.pdf.> Acesso em: Ago. 2015.
/*ref*/MIGNOLO, Walter. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. In: LANDER, Edgardo et al. (Ed.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino-americanas. CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, p. 71-103, 2005.
/*ref*/NEUFELD, M. The reflexive turn and International Relations theory. 1991.
/*ref*/NEUMAN, Sthepanie. (Org). International Relations Theory and the Third World. Nova Iorque, Copyright, 1998.
/*ref*/NOGUEIRA, João Pontes; MESSARI, Nizar. Teoria das relações internacionais. Elsevier, 2005.
/*ref*/OLIVA, Alberto. Teoria do conhecimento. Zahar, p. 1-19, 2011.
/*ref*/PECEQUILO, Cristina. Soreanu. Introdução às Relações Internacionais: temas, atores e visões. Vozes, 2004.
/*ref*/PUCHALLA, Donald. Third World Thinking and Contemporany International Relations. In:
/*ref*/NEUMAN, Stephanie. (Org). International Relations Theory and the Third World. Nova Iorque, Copyright, 1998.
/*ref*/QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do Poder, Eurocentrismo e América. In: LANDER, Edgardo (Org). A Colonialidade do Saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales-CLACSO, 2005.
/*ref*/QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder e classificação social. In: DE SOUSA SANTOS, Boaventura.; MENESES, Maria Paula. (Orgs). Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedida.sa, 2009. RAPOPORT, Mario. Historia económica, política y social de la Argentina (1880-2003). Machi, 2000.
/*ref*/RUIZ, José. Briceno. A contribuição latino-americana para a teoria das relações internacionais. In: PREBISCH, Raúl. et al. O manifesto latino-americano: e outras ensaios. São Paulo: Contraponto, 2011.
/*ref*/RUSSEL, Roberto.; TOKÁTLIAN, Juan Gabriel. De la autonomía antagónica a la autonomía relacional: una mirada teórica desde el Cono Sur. Perfiles Latino Americanos, n. 21, p. 159-194. 2002.
/*ref*/SAID. Edward. W. Orientalismo: O Oriente como invenção do Ocidente. Tradução Tomás Rosa Bueno. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.
/*ref*/SLATER, David. Geopolitics and the post-colonial: rethinking North-South relations. John Wiley & Sons, 2008.
/*ref*/SMITH, Steve. New approaches to international theory. In:BAYLES, John; SMITH, Steve. The Globalization of World Politics, 1997.
/*ref*/SMITH, Steve. Introduction: Diversity and Disciplinarity in International Relations Theory. In: DUNNE, Tim; KURKI, Milja; SMITH, Steve. International Relations Theories: discipline and diversity. 3.ed. Oxford University Press, 2013.
/*ref*/TICKNER, Arlene. Relaciones de conocimiento centro-periferia: hegemonía, contribuciones locales e hibridización. Politai, v.3, n.4, 2012. Disponível em: <http://revistas.pucp.edu.pe/index.php/politai/article/view/14105/14721> Acesso em: 13 jun. 2015.
/*ref*/TICKNER, Arlene. Core, Periphery and (neo)imperialist International Relations. European Journal of International Relations. p. 627–646, 2013. Disponível em: http://ejt.sagepub.com/cgi/doi/10.1177/1354066113494323. Acesso em: Out.2016.
/*ref*/TICKNER, Arlene; BLANEY, David, L. Introduction: Thinking difference. In: TICKNER, Arlene; BLANEY, David, .L. (Org). Thinking international relations differently. EUA e Canadá: Routledge, 2012.
/*ref*/TICKNER, Arlene; BLANEY, David, L. Introduction: Claiming the international beyond IR. In: TICKNER, Arlene.; BLANEY, David, L. Claiming the International. EUA e Canadá: Routledge, 2013.
/*ref*/TICKNER, Arlene; WÆVER, Ole. (Org). International relations scholarship around the world. EUA e Canadá: Routledge, 2009.
/*ref*/TOMASSINI, Luciano et al. Nuevas formas de concertación regional en América Latina: el sistema internacional y América Latina. RIAL, 1990.
/*ref*/VARGAS, João Augusto Costa. Um mundo que também é nosso: o pensamento e a trajetória diplomática de Araujo Castro. Brasília: FUNAG, 2013.
/*ref*/VIGEVANI, Tullo; CEPALUNI, Gabriel. A política externa de Lula da Silva: a estratégia da autonomia pela diversificação. Contexto internacional, v. 29, n. 2, p. 273-335, 2007.
/*ref*/VIGEVANI, Tullo; THOMÁZ, Laís Forti; LEITE, Lucas Batista. As Relações Internacionais no Brasil: notas sobre o início de sua institucionalização. Inter-Relações, p. 5-11, 2014.
/*ref*/VIZENTINI, Paulo Fagundes. A evolução da produção intelectual e dos estudos acadêmicos de relações internacionais no Brasil. In: SOMBRA SARAIVA, José. Flávio; CERVO, Amado. O crescimento das Relações Internacionais no Brasil. Brasília, IBRI, 2005.
/*ref*/VIZENTINI, Paulo Fagundes. O descompasso entre as nações. In: SADER, Emir (Org.) Os porquês da desordem mundial. Mestres explicam a globalização. Rio de Janeiro: Record, 2004.
/*ref*/WAEVER, Ole. The rise and fall of the inter-paradigm debate. In: SMITH, Steve; BOOTH, Ken; ZALEWSKI, Marsya. International Theory: Positivism and Beyond. Cambridge University Press, 1996.
 
Rights Direitos autorais 2019 JOCIELI DECOL, IGOR CASTELLANO DA SILVA
https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/br/
 

Contact Us

The PKP Index is an initiative of the Public Knowledge Project.

For PKP Publishing Services please use the PKP|PS contact form.

For support with PKP software we encourage users to consult our wiki for documentation and search our support forums.

For any other correspondence feel free to contact us using the PKP contact form.

Find Us

Twitter

Copyright © 2015-2018 Simon Fraser University Library