Hepatotoxicidade devido ao uso de metformina

Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba

View Publication Info
 
 
Field Value
 
Title Hepatotoxicidade devido ao uso de metformina
 
Creator Gozzano, José Otávio Alquezar
Gozzano, Maria Luiza Coelho
 
Subject
hepatotoxicidade; metformina; icterícia

 
Description INTRODUÇÃO: A metformina (MET) é a primeira droga de escolha para o tratamento de diabetes mellitus tipo 2 (DM2). Os principais efeitos adversos da metformina incluem os gastrointestinais. Com seu uso a longo tempo, também pode ocorrer redução do ácido fólico e vitamina B12 e efeitos de acidose láctica no contexto de diminuição crônica na função renal. A hepatotoxicidade da metformina foi pouco relatada. RELATO DE CASO: Paciente do sexo feminino, 66 anos, previamente hipertensa, diabética, com história de hepatite C tratada há 5 anos e controlada clinicamente, em uso de losartana e hidroclorotizida, glibenclamida e metformina. Estava em uso de metformina 500mg três vezes ao dia há 5 anos, tendo aumentado a dose nos últimos 20 dias para 850 mg três vezes ao dia. Procura atendimento médico com quadro de icterícia há 15 dias, náusea, dispepsia e acolia fecal. Ao exame físico: bom estado geral, ictérica (3+/4+), afebril, eupneica, abdome flácido, e indolor a palpação. Nos exames apresentava: bilirrubina total: 19,86mg/dl (0,3-1,3), bilirrubina direta: 11,06mg/dl (0,1-0,4), bilirrubina indireta: 5,41mg/dl (0,2-0,9), AST: 268U/L (12- 38), ALT: 346 (7-41), FA: 140U/L (35-104), GGT: 188U/L (8-41). Ao ultrassom, fígado de dimensões normais, esteatose hepática sem obstrução biliar. Outros exames dentro dos padrões de normalidade. Após suspensão de metformina por 10 dias, melhoras de sinais e sintomas, bilirrubina total: 14,4, bilirrubina direta: 9,95, bilirrubina indireta: 4,45, TGO: 228, TGP: 223, FA: 139, GGT: 158, tendo alta para acompanhamento ambulatorial. DISCUSSÃO: A hepatotoxicidade apresenta-se primeiramente com sintomas como vômitos, náuseas, fadiga e icterícia com marcadores elevados de transaminases e colestases intra-hepática após início de uso de metmorfina. A fisiopatologia da hepatotoxicidade induzida pela metformina é incerta, porém, há indícios que reações adversas idiossincrasias a metformina, mecanismos de injuria hepática diretos e interações medicamentosas10 podem provocar hepatite aguda através da inflamação portal e do parênquima. A metformina deve ser considerada como causa de hepatite em pacientes que apresentam acidose metabólica com grande intervalo de anion gap e falha hepática após tratamento com metformina. Não há tratamento específico para hepatotoxicidade induzida pela metformina. Após a descontinuação do seu uso, as enzimas hepáticas retornam aos valores normais após algumas semanas . CONSIDERAÇÕES FINAIS: Sendo a MET a droga de escolha para o tratamento de diabetes tipo 2, é essencial que a comunidade médica, assim como os pacientes, tomem conhecimento de que a MET pode causar dano hepático levando a icterícia principalmente associada a outros medicamentos, fato comum e indicado no diabetes mellitus tipo 2.
 
Publisher Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
 
Contributor
 
Date 2019-12-02
 
Type info:eu-repo/semantics/article
info:eu-repo/semantics/publishedVersion

Avaliado pelos pares
 
Identifier http://revistas.pucsp.br/RFCMS/article/view/46259
 
Source Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba; v. 21, Supl., out. 2019. 36º Congresso da SUMEP
1984-4840
1517-8242
 
Rights Direitos autorais 2019 Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba
https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0
 

Contact Us

The PKP Index is an initiative of the Public Knowledge Project.

For PKP Publishing Services please use the PKP|PS contact form.

For support with PKP software we encourage users to consult our wiki for documentation and search our support forums.

For any other correspondence feel free to contact us using the PKP contact form.

Find Us

Twitter

Copyright © 2015-2018 Simon Fraser University Library